Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Depois do coma, dos 130 pontos na cara e da reconstrução facial, Fabio Jakobsen diz-se pronto para recomeçar a treinar ainda este ano

Ciclista holandês, colega de João Almeida na Deceuninck-QuickStep, sofreu uma gravíssima queda na Volta à Polónia em agosto e passou vários dias em coma induzido. A recuperação, que envolveu um transplante de osso da zona pélvica para os maxilares, está a correr bem e o sprinter poderá mesmo voltar à bicicleta ainda em 2020

Lusa

Mark Van Hecke/Getty

Partilhar

O ciclista holandês Fabio Jakobsen (Deceuninck-QuickStep), que sofreu uma queda grave na Volta à Polónia, revelou esta segunda-feira que a sua recuperação está a correr bem e anteviu um regresso aos treinos ainda este ano.

“Quatro semanas depois da reconstrução dos maxilares inferior e superior chegou o momento de tirar os pontos. O processo de cicatrização está a correr bem”, escreveu como legenda de uma fotografia publicada na sua conta na rede social Instagram, na qual se podem ver instrumentos cirúrgicos e os pontos retirados do seu rosto.

Na sequência da grave queda na primeira etapa da Volta a Polónia, o jovem ciclista, de 24 anos, perdeu todos os dentes, à exceção de um, e teve de levar 130 pontos na face. Posteriormente, foi operado para reconstrução do rosto, tendo-lhe sido retirado um osso da zona pélvica para ser colocado nos maxilares.

“O osso transplantado terá que ficar forte e firme nos próximos quatro meses. A próxima cirurgia está agendada para 2021. Nas próximas semanas, a minha pélvis deverá estar curada e forte como antes. A partir daí, posso regressar lentamente aos treinos na bicicleta”, detalhou.

O ‘sprinter’ holandês esteve uma semana na unidade de cuidados intensivo do hospital de Santa Bárbara, em Sosnowiec (Polónia), tendo mesmo sido colocado em coma induzido enquanto o seu prognóstico era grave.

Instagram