Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

“É hipocrisia, merda. O Lance não fez nada a mais do que outros, aliás, fez menos do que alguns e vimos coisas bem piores na Rússia”

Johan Bruyneel, antigo diretor desportivo das equipas por onde Lance Armstrong passou, defendeu o antigo ciclista norte-americano numa entrevista à Eurosport, garantindo que, com ou sem doping, este foi o "melhor da sua geração". E acusa a agência norte-americana de antidopagem de perseguição

Tribuna Expresso

FRANCK FIFE

Partilhar

O melhor, apesar de tudo

"O caráter de Lance foi assassinado. Essa demonização colectiva é fácil de levar a cabo, mas é impossível de desfazer. Havia muita hipocrisia. Com ou sem doping, em toda a história do ciclismo. todos os grandes campeões foram os melhores da sua geração. E o Lance não é exceção a esta regra. Digam-me o que mudou no ciclismo depois do Lance: nada".

Maior esquema de sempre?

"O problema é que a USADA [agência norte-americana antidopagem] afirmou que este era o maior sistema de dopagem da história do desporto. Dizer isso é merda! Já vimos coisas bem piores, na Rússia ou na Alemanha Oriental".

E os rivais?

"O Lance não fez mais do que os outros. Mais: posso até dizer que ele fez menos, especialmente em comparação aos ciclistas que foram capturados na Operação Puerto, com o médico Fuentes. Estou a falar de corredores como [Iban] Mayo, [Ivan] Basso, [Jan] Ullrich, [Tyler] Hamilton, que eram os principais rivais do Lance".

Proscritos

"Mancharam-nos tanto até ao ponto em que nos tornámos pessoas non gratas. Mantive boas relações com muita gente mas que, quando os encontro numa corrida, não os irão ver a tirar uma foto comigo".