Tribuna Expresso

Perfil

Ciclismo

Tour: Van der Poel abandona um dia depois de perder a liderança

Van der Poel, de 26 anos, vestiu a camisola amarela da 108.ª edição da ‘Grande Boucle’ durante seis dias, depois de ter vencido a segunda etapa, no Muro de Bretanha, tendo ‘caído’ no sábado para o 23.º lugar da geral, a 17.20 minutos do líder e campeão da prova

Lusa

THOMAS SAMSON

Partilhar

O holandês Mathieu van der Poel (Alpecin-Fenix) desistiu este domingo da Volta a França em bicicleta, um dia depois de ter sido destronado da liderança pelo esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates), na oitava etapa, confirmou a organização.

Van der Poel, de 26 anos, vestiu a camisola amarela da 108.ª edição da ‘Grande Boucle’ durante seis dias, depois de ter vencido a segunda etapa, no Muro de Bretanha, tendo ‘caído’ no sábado para o 23.º lugar da geral, a 17.20 minutos do líder e campeão da prova.

O neto de Raymond Poulidor, o ‘eterno segundo’, já tinha admitido ponderar, no dia de descanso, na segunda-feira, a continuidade na corrida, uma vez que o seu grande objetivo para esta temporada é o ouro olímpico na prova de cross-country olímpico (XCO) em Tóquio2020, marcada para 26 de julho.

“Infelizmente, não vou alinhar hoje. Decidi, em conjunto com a equipa, que o melhor para mim seria abandonar a corrida e concentrar-me nos Olímpicos”, disse o holandês antes do arranque da nona etapa.

‘MVDP’, que apareceu equipado à partida para a nona tirada, antes de decidir desistir, assumiu saber que seria difícil prosseguir até Paris, onde o Tour termina em 18 de julho, oito dias antes da prova olímpica de XCO.

“Tenho outros objetivos e, devido à pandemia [de covid-19], seria impossível para mim fazer toda a Volta a França e chegar no topo da minha forma a Tóquio. Vivi uma semana fantástica e regressarei no próximo ano para ir até Paris”, prometeu.

Van der Poel alcançou, na sua estreia no Tour, algo que o seu avô nunca conseguiu, apesar de ser o ciclista que mais vezes (oito) terminou no pódio da ‘Grande Boucle’: vestir a camisola amarela.

O holandês, que foi muito apoiado nas estradas francesas durante os seus dias de amarelo, não alinhou à partida para a nona etapa do Tour, a segunda consecutiva nos Alpes, entre Cluses e Tignes, numa distância de 144,9 quilómetros, tal como o esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), vice-campeão em 2020.