Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Federação uruguaia de futebol dispensa selecionador e restantes funcionários

O selecionador Óscar Tabarez e a maioria dos trabalhadores da Federação Uruguaia de Futebol foram dispensados devido à pandemia

lusa

MAURO PIMENTEL

Partilhar

A Federação Uruguaia de Futebol (AUF) prescindiu de quase todos os seus colaboradores e funcionários, incluindo o técnico da seleção principal, Óscar Tabarez, devido à pandemia da covid-19, que parou todo o desporto.

“O comité executivo informa que devido à atual crise sanitária, que levou à cessação de todas as atividades, é obrigado a tomar uma série de decisões difíceis para proteger o futuro da instituição”, afirmou a AUF, num comunicado divulgado na sexta-feira.

No documento, a federação refere ter enviado “para o fundo de desemprego o pessoal que desempenhava tarefas administrativas, contabilidade, arbitragem, funcionários dos complexos desportivos e equipas técnicas”, nas quais se inclui Tabarez, que lidera a seleção uruguaia desde 2006.

A AUF anunciou também a suspensão de todos os contratos externos, mas garante que continuará a “trabalhar na preparação do futuro da modalidade, com os recursos mínimos”.

Segundo a imprensa uruguaia, a decisão da AUF afetará cerca de 400 pessoas.

O futebol uruguaio está suspenso desde 13 de março, dia em que foram confirmados os quatro primeiros casos da covid-19.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 572 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 26.500. Dos casos de infeção, pelo menos 124.400 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito na sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde. Dos infetados, 354 estão internados, 71 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril.