Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

“O futebol é tudo desde os cinco anos, mas não vou arriscar a vida a jogá-lo. Acho normal não ser pago se não faço o clube ganhar dinheiro”

O argentino Javier Pastore, médio argentino da Roma de Paulo Fonseca, deu uma entrevista a uma rádio do seu país na qual garante estar pronto para ficar mais tempo em quarentena, pois o importante é a vida. "Na China, estão em quarentena há três meses e ainda não voltaram a jogar"

Javier Pastore, médio da Roma de Paulo Fonseca

Andrea Staccioli

Partilhar

O regresso

"Ainda nada está decidido. Provavelmente, ficaremos nesta situação mais duas semanas, depois veremos como é que esta situação evolui. O futebol é fundamental para mim, desde que tenho cinco anos, mas não tenho vontade de arriscar a minha vida para jogar".

E a seguir?

"A nossa vida nunca mais será a mesma, vão mudar muitas coisas. Até quando pudermos sair de casa - não sei quando - não poderemos fazer o que fazíamos antes. Certamente que vamos jogar à porta fechada no início. Se Deus quiser, poderemos recomeçar daqui a dois meses mas... Na China estão em quarentena há três meses e ainda não voltaram a jogar"

O salário

"Estamos em contacto com os dirigentes da Roma e com o sindicato dos jogadores. Para mim, é normal que os clubes não paguem e não lhes fazemos ganhar dinheiro".