Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Federação inglesa dá o exemplo com cortes de 30%: "Os salários mais altos assumem uma maior responsabilidade"

O selecionador Gareth Southgate vai ver o seu salário reduzido em 30%, tal como os trabalhadores da federação inglesa que recebem mais

tribuna expresso e lusa

Michael Regan

Partilhar

O selecionador inglês, Gareth Southgate, vai ter um corte de 30% no seu salário, devido à pandemia de Covid-19, que parou o futebol em quase todo o mundo, anunciou hoje a federação local (FA).

Em comunicado, a FA explicou que a sua direção decidiu cortar os salários em 7,5% a funcionários que recebam 50.000 libras ou mais por ano, com o selecionador e também os mais bem pagos do organismo “a darem o exemplo”.

“Os salários mais altos assumem uma maior responsabilidade. Por isso, os membros da direção da FA decidiram reduzir o seu salário em 15% e os que recebem ainda mais, o corte será de 30%”, revelou.

De acordo com a imprensa britânica, o antigo defesa central concordou com o valor, que corresponde a cerca de um milhão de libras por ano.

Manuel Queimadelos Alonso/Getty

Phil Neville, selecionador da equipa feminina, também terá um corte de 30%, embora tenha um salário anual bem mais baixo que Southgate (cerca de 300 mil libras)

A FA lembrou que estes são “tempos extraordinários e complicados” e, por isso, o organismo fará “tudo para apoiar cada pessoa da melhor maneira possível”.

À semelhança do que aconteceu nos outros principais campeonatos europeus, o futebol inglês está parado desde o início de março e ainda não tem data agendada para ser retomado, devido ao surto do novo coronavírus.

No Reino Unido, para já, 47.806 pessoas foram infetadas, incluindo o primeiro-ministro Boris Johnson e alguns jogares da Premier League, e 4.934 perderam a vida.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Dos infetados, 1.099 estão internados, 270 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 140 doentes que já recuperaram.