Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Covid-19. Jogadores de FC Porto, Benfica e Sporting cortam salários?

O jornal "Record" avança que os clubes grandes e outros da I Liga estão a chegar a acordo para a redução de 50%. A Tribuna Expresso questionou Benfica, FC Porto e Sporting que, oficialmente, nada têm a dizer. Contudo, o nosso jornal sabe que os leões já encetaram conversas com os capitães de equipa há algum tempo

Pedro Candeias

Quality Sport Images

Partilhar

As administrações de FC Porto, Benfica e Sporting estão em negociações com os seus jogadores para uma redução salarial de 50%, escreve o "Record" desta terça-feira. Segundo o jornal desportivo,o corte para metade vigorará enquanto o campeonato se encontrar suspenso e os futebolistas serão ressarcidos quando tudo regressar à normalidade.

A Tribuna Expresso sabe que o Sporting é o clube, dos três grandes, cujo entendimento está mais avançado. Estas medidas foram alinhavadas "desde o início da pandemia" com os jogadores e com o aconselhamento do Sindicato dos Jogadores, de forma a evitar lay-offs que reduziriam drasticamente os vencimentos dos atletas - em lay-off , o futebolista receberia no máximo 1.905 euros brutos. As conversas terão começado entre a administração e os capitães de equipa. A posição oficial dos leões foi sempre a de "procurar um entendimento geral entre clubes".

Questionado oficialmente sobre esta questão, o Benfica respondeu que o clube "se pronunciará quando e se houver em algum momento alguma decisão sobre o tema". O FC Porto garantiu "desconher".

Os argumentos para a redução salarial são estes: suspensão do pagamento dos direitos de TV por parte dos operadores, enquanto não houver campeonato, e a revisão em baixa do mercado de transferências são razões para uma crise que só pode ser combatida com a redução salarial.

O Belenenses SAD, na segunda-feira, foi o único emblema da I Liga a avançar para o lay-off, uma medida amplamente criticada pelo Sindicato dos Jogadores, que não deixou de atacar os "operadores de TV". Os azuis do Jamor justificaram-se com a futura perda de receitas ligadas aos contratos televisivos - pagos em março, mas que deixarão de ser pagos em abril - e pela contração do mercado de transferências. No caso do Belenenses SAD, estes dois elementos (direitos TV e venda de jogadores) representam 90% dos rendimentos operacionais.

*Notícia atualizada às 11h02 com informações recolhidas junto de FC Porto, Benfica e Sporting a propósito do tema.