Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Covid-19. Foram ver o jogo a Buenos Aires para voltar à Colômbia nessa noite. Estão há mais de um mês fechados num hotel

Um grupo de 15 adeptos do Independiente Medellín permanece fechado em Buenos Aires devido ao novo coronavírus

Tribuna Expresso

Marcelo Endelli

Partilhar

Eram apenas 15 adeptos colombianos do Independiente Medellín. Iam apenas até Buenos Aires para assistir ao jogo da sua equipa contra o Boca Juniors, a contar para a Taça Libertadores, no mítico estádio La Bombonera. No fim, regressariam por terra ao seu país. Entretanto, aconteceu uma pandemia.

Mais de um mês depois do jogo, o grupo permanece fechado num modesto hotel da capital argentina, em quarentena obrigatória e lamentando que as autoridades colombianas os tenham abandonado.

À Associated Press, por telefone, Ángelo Taborda, porta-voz dos adeptos, disse: “Não sabemos o que nos vai acontecer, precisamos que as autoridades colombianas façam algo sobre o assunto e nos ajudem a voltar ao nosso país”.

A noite de 10 de março foi mesmo um pesadelo. O Boca Juniors venceu por 3-0 e eliminou o clube colombiano da Taça Libertadores. Dias depois, a competição foi suspensa devido ao novo coronavírus.

O grupo de adeptos ainda deu início à viagem por terra. Quando estavam quase a passar da Argentina para a Bolívia, o presidente argentino Alberto Fernández fechou as fronteiras do país. Dias depois, a 20 de março, foi decretada a quarentena obrigatória, que ainda vigora.

Depois de terem sido assaltados na cidade fronteiriça de La Quiaca, os fãs do Independiente foram metidos num autocarro e enviados de volta a Buenos Aires. Depois de percorrerem novamente aqueles 1.500 quilómetros, foram detidos pela polícia porque o veículo em que seguiam não tinha autorização para circular.

Entretanto, foram submetidos a um teste para determinar se têm coronavírus e o resultado foi negativo.

Às janelas do hotel, os colombianos que afirmam fazer parte do núcleo duro da claque do Independiente, gritam palavras de ordem e exibem as tatuagens. Alguns agitam camisolas do clube ou da seleção da Colômbia como bandeiras. Os vizinhos já apresentaram várias queixas por causa do ruído.

Uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Colômbia garantiu à AP que “o grupo de compatriotas recebeu apoio e acompanhamento do consulado e da embaixada da Colômbia na Argentina.

A quarentena termina dentro de dois dias. O consulado colombiano em Buenos Aires deve assumir os gastos da estadia dos adeptos na capital argentina.