Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Liga prevê testes obrigatórios à covid-19 antes do reinício do campeonato (e há jogos desde que haja sete jogadores)

As equipas poderão entrar em campo desde que possuam um número mínimo de sete jogadores, um deles guarda-redes, sendo que a covid-19 é “equiparada a outra tipologia de lesão”, pormenoriza a Liga no seu plano de regresso à atividade

lusa

NurPhoto

Partilhar

A Liga de futebol prevê a realização obrigatória de testes à covid-19 a jogadores e ‘staff’ técnico antes do primeiro treino coletivo e do primeiro jogo oficial e a constituição de um comissão independente para análise de dados.

Segundo um esboço para a retoma progressiva à competição, elaborado pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), a que a agência Lusa teve acesso, o regresso da I e II Liga estará sempre “dependente das indicações das entidades oficiais”, mas prevê a realização obrigatória de testes antes da primeira jornada após a interrupção das competições.

Estes testes serão realizados a “todos os elementos da ficha de jogo e jogadores não convocados”, bem como a outros elementos adicionais caso as Sociedades Desportivas assim entenderem.

Além disso, terá de haver a garantia que “todos os clubes efetuaram e receberam os testes entre as 48 horas e até as 24 horas anteriores ao jogo” e a “autorização de todos os testados para envio do resultado da análise para a Liga, para efeitos de tratamento dos dados”, pode ler-se.

O documento prevê ainda a “constituição de comissão independente para análise dos dados remetidos pelos laboratórios” e que antes de cada jogo “o médico efetue um atestado de aptidão dos elementos (jogadores e staff) para efeito de credenciação”.

Também para o retomar dos “treinos coletivos” está prevista a realização obrigatória de testes à covid-19 aos “jogadores e ‘staff’ técnico”.

O controlo será realizado pelos departamentos médicos das equipas, que “efetuam um atestado de aptidão física dos jogadores antes do primeiro treino coletivo oficial”.

O esboço da Liga para o regresso à competição prevê ainda que caso um jogador teste positivo para a covid-19 deve ser isolado e os demais jogadores e ‘staff’ próximo testados.

O regresso de um jogador que tenha testado positivo apenas acontecerá "após obtenção de dois testes negativos num período superior a 24 horas”, sendo que os “departamentos médicos das equipas efetuam um atestado de aptidão física dos jogadores após informação”.

Já para os casos negativos, está prevista a realização de testes de imunidade à covid-19, ficando estes jogadores “aptos para credenciação e jogo”.

Se tem covid-19, está "lesionado"

Quanto aos jogos oficiais, as equipas poderão entrar em campo desde que possuam um número mínimo de sete jogadores, um deles guarda-redes, sendo que a covid-19 é “equiparada a outra tipologia de lesão”.

O documento refere ainda que não haverá “exceções às leis de jogo”.

Com os departamentos médicos de cada clube a terem a responsabilidade de atestar a aptidão física dos jogadores antes de cada jogo, estes devem também desenvolver formações junto de “jogadores e ‘staff’” e “a todas as equipas de limpeza e a todos que tenham intervenção em zona técnica”.

O esboço desenvolvido pela Liga alerta ainda para “temas que carecem de articulação”, como a “reabertura do espaço aéreo das ilhas sem quarentena” ou a “garantia da higienização aos balneários no dia anterior ao jogo, deixando os balneários selados para serem abertos aquando da chegada das equipas”.

A principal prova do calendário luso, cuja ronda 24 terminou em 08 de março, não tem, para já, data de regresso, sendo que está suspensa indefinidamente.

Já a 24.ª jornada da II Liga terminou em 09 de março e desde então a prova também está suspensa.