Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

“Por favor, no futuro, pensem nas vossas vidas, nas vossas famílias e compreendam que a arbitragem é apenas um 'hobby' para 98%”

A APAF pediu ajuda à Federação Portuguesa de Futebol, depois de ter efetuado um "levantamento das dificuldades dos agentes de arbitragem" devido à pandemia de covid-19

lusa

Ben Stansall

Partilhar

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) apelou hoje à federação (FPF) para estender ao setor da arbitragem o quadro de apoios que foi apresentado aos clubes e auxiliar de forma criteriosa os agentes em dificuldades.

O pedido foi divulgado pelo presidente da APAF, numa carta aberta endereçada aos “árbitros, observadores, técnicos e demais agentes da arbitragem”, na qual Luciano Gonçalves revela ainda que, em resposta, a FPF já solicitou um “levantamento das dificuldades dos agentes de arbitragem da FPF” resultantes da pandemia de covid-19.

Em declarações à agência Lusa, o líder da APAF admitiu não ter ainda “números em concreto”, mas adiantou que a associação “tem conhecimento e está a acompanhar algumas situações de dificuldade” e que o próprio dirigente, numa perspetiva meramente pessoal, tem ajudado “dentro das possibilidades”, mediante os contactos recebidos.

“Temos conhecimento de que já existem alguns colegas que estão a ser ajudados ou em início de processo junto da Associação de Auxílio de Arbitragem (AAA), mas mais casos serão encaminhados nos próximos dias e acredito que, apesar desta tipologia de situação não estar contemplada no regulamento da associação, a mesma será sensível à situação anómala e imprevista que estamos a passar”, escreveu Luciano Gonçalves na missiva enviada ao setor.

A Associação de Auxílio de Arbitragem (AAA), explicou Luciano Gonçalves, é uma entidade gerida em conjunto pela APAF e pelo Conselho de Arbitragem (CA) da FPF, que gere “dinheiro que é descontado a todos os árbitros para ajudar em situações extremas”, mas cujos regulamentos não contemplam a atual situação de interrupção das competições devido à pandemia de covid-19.

Gonçalves referiu ainda que a pandemia veio pôr a nu a “fragilidade e precariedade” do setor da arbitragem em Portugal e prometeu lutar por “um verdadeiro profissionalismo da classe, pelo reconhecimento da atividade de árbitro e pela criação de um fundo de apoio” que possa, no futuro, salvaguardar os agentes de arbitragem em situações semelhantes.

O dirigente apelou também aos associados da APAF para que aliviem o ‘peso’ da atividade no orçamento familiar.

“Por favor, no futuro, pensem nas vossas vidas, nas vossas famílias e compreendam que a arbitragem é apenas um 'hobby' para 98%”, sublinhou Luciano Gonçalves.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 200 mil mortos e infetou mais de 2,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Perto de 800 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 903 pessoas das 23.864 confirmadas como infetadas, e há 1.329 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Liga prevê testes obrigatórios à covid-19 antes do reinício do campeonato (e há jogos desde que haja sete jogadores)

As equipas poderão entrar em campo desde que possuam um número mínimo de sete jogadores, um deles guarda-redes, sendo que a covid-19 é “equiparada a outra tipologia de lesão”, pormenoriza a Liga no seu plano de regresso à atividade