Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

A recomendação da DGS para os festejos dos golos: "Mantenham o distanciamento. Sejam exuberantes mas longe dos outros"

Graça Freitas pediu aos adeptos para terem algum cuidado na forma como vão ver - e festejar - o regresso da I Liga de futebol, a partir de quarta-feira

tribuna expresso e lusa

MANUEL DE ALMEIDA

Partilhar

Os adeptos da I Liga de Futebol, que regressa na quarta-feira, vão estar fora dos estádios, mas se se juntarem devem manter uma distância de dois metros e celebrar sem contacto físico, alertou hoje a diretora-geral da Saúde.

“Relativamente ao distanciamento social, o ideal são os dois metros. Mesmo se estiverem a assistir pela televisão em espaços fechados, não devem esquecer esta regra e outra, muito importante, que é a partilha de objetos como copos ou garrafas – não fazer isso, de todo”, disse Graça Freitas na conferência de imprensa diária sobre a covid-19, referindo-se à eventual concentração de adeptos junto a hotéis onde estão as equipas ou a estádios.

A responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS) avisou que, “na altura da comemoração dos golos, a tendência vai ser para comemorar como antes”, com “contacto físico”, apelando a que a celebração decorra com cuidado. “Nesses momentos, as pessoas perdem muito a noção do que estão a fazer, mas mantenham o distanciamento. Sejam exuberantes mas longe dos outros." Isto, “a menos que se trate de pessoas que vivam na mesma casa”, frisou.

“Deixo um grande apelo aos adeptos para que, se se juntarem, mantenham regras de distanciamento físico e de proteção barreira, usando máscara e não partilhando objetos”, acrescentou.

Graça Freitas afirmou que “foi uma dura conquista a retoma do campeonato” e que “a tentativa de chegarmos ao fim será boa para todos”, designadamente do ponto de vista social e económico.

“Mas temos de garantir que o que foi conquistado não pode retroceder por um comportamento menos prudente. E a prudência indica que temos de manter as regras”, notou.

Jogos começam quarta-feira

A I Liga portuguesa de futebol regressa na quarta-feira, quase três meses depois de paragem devido à covid-19, para umas últimas 10 jornadas sem público, uma dezena de substituições por jogo a partir, tudo indica, da ronda 27 e testes constantes à covid-19.

Os 90 jogos em falta vão decorrer maioritariamente durante a semana, com apenas um dia de intervalo entre jornadas (dois da 32.ª para a 33.ª) e em 17 estádios, entre eles a estreante Cidade de Futebol, em Oeiras, palco dos 10 jogos ‘caseiros’ de Santa Clara e Belenenses SAD, os únicos que jogam em campo neutro.

O ‘sprint’ final prolonga-se até 26 de julho, dia previsto para a 34.ª e última ronda, que é a única sem calendário definitivo, pois depende do que, então, estiver por decidir, em matéria de título, apuramentos europeus e descidas.

De todas as alterações, a mais marcante é a ausência de público, a porta fechada a espetadores.

As portas dos estádios estarão fechadas, exceto aos elementos indispensáveis para a realização dos jogos, incluindo as equipas das televisões, que transmitirão em direto todos os jogos, entre a SportTV e a BTV (os do Benfica em casa).

Quanto aos jogadores, serão elegíveis aqueles que passem nos testes à covid-19, que serão efetuados 24 horas de cada jogo, sendo que, entre jogos espaçados por mais de cinco dias, cada equipa terá de ser submetida a dois testes.

Em campo, os 11 jogadores de cada equipa não atuarão de máscara, obrigatória, porém, para todos os elementos que fiquem no banco dos suplentes, exceção aos treinadores principais, em alguns casos não os ‘reais’, mais os oficiais.

No banco de cada formação, estarão, devidamente separados, um total de nove suplentes, mais dois do que o habitual, pois serão permitidas um máximo de cinco substituições por equipa, em três momentos do jogo e ainda ao intervalo.

Esta medida não entrará, no entanto, em vigor logo na primeira jornada da retoma, a 25.ª, já que o Marítimo fez ‘finca pé’ e ‘obrigou’ a que uma decisão tenha de passar por uma Assembleia Geral da Liga de clubes, marcada para 09 de junho, dia do arranque da ronda 26.

Assim, é possível que nas duas primeiras rondas apenas possam estar no banco os habituais sete suplentes e só de possam efetuar as três substituições da ‘ordem’.

Diferentes, desde quarta-feira, vão ser os festejos, de golos, vitórias ou outros, pois não são permitidos aglomerados entre os elementos das equipas (jogadores, treinadores e restante ‘staff’), beijos ou abraços: umas ‘cotoveladas’ e pouco mais.

Quanto ao ‘produto’ final, tudo se mantém idêntico, com três pontos para os vencedores, um para os que empatarem e nenhum para os que perderem, sendo que, nesta ‘batalha’, o FC Porto arranca na frente, com mais um ponto do que o Benfica.

Sporting de Braga (a 14 pontos da frente), Sporting (a 18), Rio Ave (a 22) e Vitória de Guimarães e Famalicão (ambos a 23), todos demasiado longe dos dois primeiros, após 24 jornadas, deverão lutar pelas três vagas na Liga Europa.

Na corrida pela manutenção, o Portimonense (penúltimo, com 16 pontos) e o Desportivo das Aves (lanterna-vermelha, com 13) partem em desvantagem, com o Paços de Ferreira (antepenúltimo com 22) a surgir imediatamente acima da ‘linha de água’.

A prova arranca na quarta-feira, com dois jogos, e, até ao final da 33.ª e penúltima jornada, só para nove dias (08, 14, 20 e 27 de junho e 02, 07, 12, 16 e 17 de julho). A última ronda, única sem programa final, está prevista para 26 de julho.

Sérgio Conceição e os estádios sem público: “É como uma salada sem azeite, sal e vinagre. Mas se tivermos fome temos de comer na mesma”

Foi o regresso de Sérgio Conceição às antevisões, três meses depois. O FC Porto joga na quarta-feira com o Famalicão e o treinador do FC Porto espera "um novo desafio" e confirma a ausência de Nakajima que, sublinha, será assunto para a direção resolver. Sérgio Conceição negou ainda que o FC Porto não desejasse o regresso do campeonato: "Não fomos de férias. Isso mostra a nossa vontade de voltar a jogar"