Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

Governo holandês autoriza público nos estádios em setembro, mas com distância de segurança e sem cânticos

O primeiro jogo com público vai realizar-se a 4 de setembro, entre as seleções da Holanda e da Polónia

Lusa

Soccrates Images

Partilhar

Os adeptos vão poder voltar aos estádios nos Países Baixos a partir de setembro para assistir aos encontros dos campeonatos de futebol, mas não haverá cânticos de apoio às equipas, anunciou hoje o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

Mark Rutte vincou que a presença de fãs nos estádios só pode acontecer caso seja respeitada uma distância de segurança de 1,5 metros entre as pessoas, deixando claro que, se as regras não forem cumpridas, “os estádios serão fechados novamente”.

De acordo com os cálculos feitos por alguns clubes, a aplicação da prática desta medida significa uma taxa de ocupação entre 20% e um terço da capacidade dos recintos desportivos.

O primeiro encontro em solo holandês com a adoção das novas medidas vai colocar frente a frente a seleção dos Países Baixos e a Polónia, em 4 de setembro, na Arena Johan Cruyff, em Amesterdão, um jogo referente a Liga das Nações, enquanto o campeonato nacional deverá iniciar-se em 11 de setembro.

No final de abril, a Real Federação Holandesa de Futebol (KNVB) anunciou que a edição 2019/20 do campeonato holandês foi oficialmente encerrada, devido à pandemia de covid-19, não tendo sido atribuído o título de campeão, subidas e descidas.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, suspensas, adiadas – Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América - ou mesmo canceladas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 477 mil mortos e infetou mais de 9,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ganhar, seja onde for, nunca é fácil. Mas difícil mesmo é fazê-lo com a elegância, a educação e o nível de Luís Castro

Bruno Vieira Amaral, escritor e cronista da Tribuna Expresso, discorre sobre a carreira de Luís Castro, acabado de conquistar o campeonato da Ucrânia