Tribuna Expresso

Perfil

Coronavírus

A DGS e os casos na seleção portuguesa: “Todos os cidadãos são tratados da mesma maneira”

Graça Freitas adiantou que, depois do teste positivo de Ronaldo, quando o estágio "em bolha" da seleção terminar, “se as autoridades de saúde chegarem à conclusão de que houve contactos de alto risco, terão de decidir que os jogadores ficam em isolamento”

lusa

MANUEL DE ALMEIDA

Partilhar

A diretora-geral da Saúde afirmou que o jogo de futebol entre Portugal e a Suécia, da Liga das Nações, marcado para hoje em Lisboa, é permitido, caso sejam cumpridas todas as regras impostas pela UEFA relativas à covid-19.

“As regras da UEFA são claras, se antes do jogo todos estiverem assintomáticos e testarem negativo a probabilidade de transmissão é infinitamente pequena, portanto o jogo é permitido”, disse Graça Freitas, na habitual conferência de imprensa da Direção-Geral da Saúde (DGS) para balanço da pandemia de covid-19.

Graça Freitas garantiu que os futebolistas da seleção portuguesa, que estão concentrados na Cidade do Futebol, e entre os quais já foram detetados três casos positivos para a covid-19, vão ser sujeitos às medidas aplicadas a qualquer cidadão.

“O inquérito epidemiológico dos jogadores da seleção ainda não terminou”, disse, acrescentando: “O grupo já está isolado ‘per si’ na Cidade do Futebol. Os jogadores estão numa espécie de isolamento, têm as suas bolhas, não estão na comunidade”.

“Todos os cidadãos são tratados da mesma maneira”

A responsável da DGS assegurou que “todos os cidadãos são tratados da mesma maneira” e explicou que após o final da concentração “se as autoridades de saúde chegarem à conclusão de que houve contactos de alto risco, terão de decidir que os jogadores ficam em isolamento”.

Graça Freitas garantiu que aos três jogadores da seleção portuguesa que testaram positivo e regressaram aos países onde têm residência – Cristiano Ronaldo (Itália), Anthony Lopes e José Fonte (França) – “foram aplicadas as regras que se aplicam a qualquer cidadão que esteja em Portugal e resida fora”.

“Dois jogadores regressaram a França, e um a Itália”, afirmou Graça Freitas, assegurando que “o transporte em condições de segurança fica inteiramente a cargo da pessoa doente”.

Graça Freitas referiu que “as pessoas que saem do país, assinam uma declaração na qual se comprometem perante as autoridades a cumprir o período de isolamento profilático no país onde residem”.

Segundo a responsável, Portugal “como todos os países da União Europeia comunica sempre ao país de destino, seja quem for o cidadão, que esse cidadão iniciou um período de confinamento ou isolamento profilático”.

Depois de ter testado positivo ao novo coronavírus na terça-feira, o futebolista Cristiano Ronaldo deixou hoje Portugal, a bordo de um avião-ambulância privado, rumo a Itália, onde deverá cumprir as regras de isolamento definidas.

A Juventus, clube de Ronaldo, confirmou que o jogador já está em Turim e que vai cumprir o isolamento na sua residência.

Ronaldo foi o terceiro jogador da seleção lusa infetado com o novo coronavírus, depois de José Fonte e Anthony Lopes, que já tinham sido dispensados dos trabalhos da equipa das ‘quinas’, terem regressado a França, onde alinham pelo Lille e Lyon, respetivamente.

A seleção portuguesa de futebol, que hoje recebe a Suécia, às 19:45, em jogo da Liga das Nações, jogou com a Espanha (0-0), em jogo particular a 07 de outubro, em Lisboa, e a França (0-0), no domingo, em Saint-Denis, para a Liga das Nações.

Portugal contabiliza pelo menos 2.117 mortos associados à covid-19 em 91.193 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).