Tribuna Expresso

Perfil

Crónica

Luís Castro

Luís Castro

Treinador do Shakhtar Donetsk

“Porquê isto? Há 10 dias pensava em futebol. Hoje penso na arriscada viagem ao supermercado, mais complexa do que o jogo contra o City”

Luís Castro está em quarentena na Ucrânia, onde lidera o Shakhtar Donetsk, equipa que ocupava grande parte do dia-a-dia do treinador português. Agora, as preocupações são outras: "Penso na máscara, no desinfetante, em lavar as mãos, em não cumprimentar o meu amigo, e na arriscada viagem ao supermercado, mais complexa do que o jogo contra o City ou a Atalanta. Como foi isto possível?"

Luís Castro

Rui Duarte Silva

Partilhar

Acordei para mais um dia. Sei que vai ser difícil dar-lhe sentido. Sempre me alimentei do treino ou do jogo desde os meus onze anos. Equilibrei-me na família sempre que o dia-a-dia assim o exigia. Mas o dia de hoje, em tempo de limitações evidentes, jamais será um dia feliz.

Sem a bola, sem o beijo e a 4.000 km de Portugal.

Os motivos para a falta de felicidade advêm fundamentalmente de ver que muitos sofrem com um vírus que tomou o controlo do mundo, devastando vidas, separando famílias e desmoronando a economia mundial.

Ao longo de anos e anos, fomos convencidos pela ideia de um mundo global, abrimos os braços e demos um abraço gigantesco, mas a ganância económica do mundo global esqueceu-se das regras para esse mundo. Correu mal.

Mudou a face da minha vida, da tua, da nossa, da deles, do mundo.

E agora?

Instagram

Agora resta-nos aguardar com muita ansiedade o que vai ser de muitos de nós. Quantos vão cair e não se vão levantar mais? Quantos seguirão em frente? Quantos terão a dignidade de dar a mão aos que caíram?

Voltando ao início, sim, sei que será um dia sem sentido. Por muito que me discipline, falta-me o treino, o jogo, o vídeo do adversário, o relatório, o vídeo da nossa equipa, o planeamento, a ansiedade pré jogo, o stresse competitivo, a dor, a angústia, a alegria da vitória, a tristeza solitária na hora da derrota: o alimento para ser feliz.

Não sei quando tudo vai voltar à normalidade. Há dez dias pensava na segunda mão da Liga Europa e no jogo contra o Dinamo de Kiev. Hoje penso na máscara, no desinfetante, em lavar as mãos, em não cumprimentar o meu amigo, e na arriscada viagem ao supermercado, mais complexa do que o jogo contra o City ou a Atalanta. Como foi isto possível?

O que nos aconteceu? Porquê?

PAUL ELLIS

Sei que neste momento, o importante é resolver a situação e não procurar os porquês. Mas tem de chegar o tempo dos porquês, até porque pode estar a gerar-se a próxima epidemia, de forma silenciosa, e nós temos de estar mais preparados para responder.

Estou exausto, exausto de não fazer nada. Dizem-me, “vê filmes, lê, escreve, pinta…”, não quero saber disso agora. Essas ocupações são boas para me equilibrarem quando trabalho, agora nada disso me faz feliz. Quero treinar, quero jogar e quero muito, muito, muito, muito, muito que todos os que estão a sofrer fiquem bem e voltem para o seio das suas famílias.

Vítor Severino, à direita, à conversa com Luís Castro, ao centro, e João Brandão, à esquerda - três dos portugueses que trabalham no Shakhtar Donetsk

Vítor Severino, à direita, à conversa com Luís Castro, ao centro, e João Brandão, à esquerda - três dos portugueses que trabalham no Shakhtar Donetsk

GENYA SAVILOV

Que capacidade impressionante de trabalho têm tido todos os PROFISSIONAIS de SAÚDE! Que exemplo são para o mundo pelo espirito de missão, determinação, amor ao próximo, dignidade e honradez. Pessoas notáveis que arriscam a sua vida para salvar a dos outros.

Espero que os governos dos diferentes países de todo o mundo jamais esqueçam que o futuro da humanidade está nas mãos destas pessoas que, perante a realidade desta pandemia, a falta de uma vacina ou de uma cura, trabalham incansavelmente para salvar vidas.

Não consigo encontrar palavras para descrever a minha admiração e a minha enorme gratidão.

Lá no cantinho onde nasci, Trás-os-Montes, sempre se disse,

OBRIGADO