Tribuna Expresso

Perfil

Crónica

Senhoras e senhores: Vanessa Gomes, a primeira árbitra assistente de sempre a atuar num jogo de futebol profissional masculino

Duarte Gomes escreve sobre Vanessa, psicóloga que, 13 anos depois de se estrear na arbitragem, será protagonista de um momento histórico do futebol português

Duarte Gomes

D.R.

Partilhar

Senhoras e senhores, apresento-vos Vanessa Gomes, a primeira árbitra assistente de sempre a atuar num jogo de futebol profissional (masculino), em Portugal.

Pelo princípio: o nome completo é Vanessa Alexandra Dias Gomes. Nasceu em Lisboa, no dia 15 de Agosto de 1987.
A arbitragem apareceu na sua vida em 2007, quando tinha apenas 20 anos.

Diz quem a conhece... foi amor à primeira vista.

Depois de várias épocas a dirigir jogos distritais de todos os escalões, a Vanessa escolheu seguir a (sub)carreira de "Árbitra Assistente". Na altura, o enquadramento regulamentar e, convenhamos, parte da mentalidade vigente, não permitiam grandes horizontes para as meninas que quisessem ir longe na arbitragem. Estavam mais ou menos balizadas a dirigir jogos do seu género.

Hoje, felizmente, a conversa é outra, quem é como quem diz, é (quase) a mesma para homens e mulheres. Não poderia ser de outra forma, obviamente. Além da abertura gradual da sociedade à validação da mulher como profissional-igual (valha-nos Deus), para isso também contribuiu o crescente interesse do sexo feminino na modalidade.

O mérito cabe aqui a muita gente, mas importa sublinhar a forte aposta que a FPF tem desenvolvido no futebol jogado por mulheres. A diferença entre um passado não muito distante e os dias de hoje não é apenas abismal: é vertiginosa e para (bem) melhor.

Portugal tem atualmente duas competições bem organizadas, centenas de jogadoras de enorme qualidade e dezenas de árbitras/árbitras assistentes nos quadros nacionais. Tem também uma mão cheia de árbitras (e árbitras assistentes) internacionais, que elevam o orgulho e prestígio do futebol português além-fronteiras.

A Sandra Bastos, da AF Aveiro, é há muito a grande referência da área: está na Elite da UEFA há várias épocas consecutivas e é, porventura, a melhor árbitra nacional de todos os tempos. Quanto à Vanessa, que tem no currículo um sem número de jogos (em Portugal e no estrangeiro), fará a sua "estreia" amanhã, no Estádio António Coimbra da Mota. Treze anos, várias centenas de jogos e muitos milhares de quilómetros depois.

A árbitra assistente da AF Lisboa fará equipa com João Malheiro Pinto (árbitro principal) na direção do jogo de abertura da "Liga 2 - Época 2020/21", entre Estoril e Arouca. A partida da Amoreira terá início às 20H. Os atletas das duas equipas e a equipa de arbitragem - e a psicóloga/administrativa de Recursos Humanos, em particular - mereciam um espetáculo com público nas bancadas.

Se fosse ali ao lado, no Autódromo do Estoril, teriam mais sorte. As bilheteiras estariam abertas desde o início de Julho e estariam vendidos quase 50 mil bilhetes, a cerca de 70€ cada... mas não será por isso que quem gosta de bola (e de arbitragem, em particular) deixará de "torcer" pelo sucesso da Vanessa, pelo peso que isso terá na sua carreira e, sobretudo, pela importância que isso representa na abertura de portas à arbitragem feminina.

A esperança (que diria ser certeza a curto, médio prazo) é que todas as restantes Vanessas do país tenham cada vez mais chances de dar provas do seu valor e qualidade, competindo de igual para igual com os seus pares masculinos.

Não há uma única razão legal para não ser assim. Há várias "constitucionais" para ser. É, aliás, o que já acontece há muito tempo em vários campeonatos europeus/mundiais de topo... não é verdade, Stéphanie Frappart, Bibiana Steinhaus, Sian Massey e Edina Alves?

É também o que acontecerá, naturalmente, em Portugal.