Tribuna Expresso

Perfil

Diário

Uma final para ingleses e pacientes

Depois de cinco anos de domínio espanhol, a Liga dos Campeões decide-se este sábado entre duas equipas britânicas. Um finalista repetente, o Liverpool de Jurgen Klopp que chega a Madrid após um percurso feito de várias provas de sobrevivência, e um estreante Tottenham, um clube em ciclo de afirmação sob o comando de Mauricio Pochettino. Vencer em Madrid será, em qualquer dos casos, a afirmação de projetos pacientes e definidos na sua identidade

Comandados por Jurgen Klopp, os reds fizeram uma temporada épica a todos os níveis

Phil Noble / Reuters

Partilhar

O finalista vencido da época passada, o Liverpool, e o Tottenham, que nunca marcou presença em qualquer final da competição, são as duas equipas inglesas que decidirão, entre si, a conquista da Liga dos Campeões 2019. O palco é o Estádio Metropolitano de Madrid, casa do Atlético de Madrid, na primeira final sem concorrente e vencedor espanhol depois de uma série de cinco conquistas de Real Madrid e Barcelona. Será na capital espanhola que se marcará uma nova era de domínio inglês na Liga dos Campeões?

O ano de 1968 marcou a primeira presença de um clube inglês, o Manchester United, numa final da Taça dos Campeões Europeus, tendo garantindo o cetro perante o Benfica. Foram precisos nove anos para que uma equipa inglesa voltasse a vencer, iniciando em 1977 a primeira era do domínio inglês nesta competição, com Liverpool (por quatro vezes), Nottingham Forest (duas vezes) e Aston Villa a somarem sete títulos em oito possíveis. 1999 voltou a ser um ano inglês, depois de uma ausência das competições europeias devido ao mau comportamento dos seus adeptos, com a conquista épica do Manchester United.

Para ler o artigo na íntegra clique AQUI