Tribuna Expresso

Perfil

Diário

“Isto tornou-se detestável, tortuoso e tóxico”: o comentador adepto deixou o edifício

A SIC alegou “toxicidade” para interromper os programas de adeptos. Que modelo é este? E que influência têm os clubes? Leia o que dizem e não dizem os clubes, os protagonistas e um crítico de televisão

Pedro Candeias

João Abreu, Vasco Mendonça, Pedro Marques Lopes (pediria para sair e foi substituído por Paulo Baldaia), Rodrigo Roquette e Duarte Gomes no cenário de “O Dia Seguinte”, que a SIC descontinuou

F OTO sic

Partilhar

Um dos episódios mais célebres do programa “O Dia Seguinte” aconteceu a 24 de maio de 2004: a meio da emissão em direto, Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, entrou nos estúdios da SIC de Carnaxide para esclarecer a notícia “dos miúdos do Braga”, um assunto que “não tinha sido feito debaixo da mesa, mas por cima da mesa”. De papéis na mão, posteriormente distribuídos pelos comentadores Dias Ferreira (Sporting), José Guilherme Aguiar (FCP) e Fernando Seara (Benfica), sentou-se ao lado do pivô Pedro Mourinho, que encerraria a interrupção presidencial 14 minutos depois, reclamando regras. “Desculpem lá, não vim aqui defender o Benfica, vim aqui falar de verdade”, disse Vieira.

Este momento disruptivo está no YouTube, tal como estão outros, alguns divertidos e caricatos e vários com discussões quentes, amuos, saídas de cena e acusações. Agora, todos eles fazem parte da história: por causa da “toxicidade” à volta do futebol, a SIC decidiu descontinuar esta semana “O Dia Seguinte” e também “Play Off”. No mesmo dia, fonte da TVI garantiu que os programas “Prolongamento” e “Livre e Direto” iriam acabar. Ao Expresso, Ricardo Costa, diretor-geral de informação da SIC, diz que “o espaço público está capturado pelas guerrilhas que obedecem aos gabinetes de comunicação dos clubes. Esse espaço é tóxico, irracional e pautado por atuações com dolo”. A RTP, por sua vez, assegurou que nos seus modelos televisivos não cabem “diatribes” e a CMTV argumentou, com ironia, que “também descontinua­ria qualquer programa que continuadamente perdesse o seu horário”.