Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Diogo Faro reza pela saúde de Mathieu, o central, extremo, avançado, o número 7 que se fosse russo era uma matrioska

O nosso cronista viu o Sporting-Qarabag e Gudelj como uma espécie de cobrador do fraque, capaz das maiores elegâncias mas também de sacar do taco de baseball e dar cabo de uma rótulas. Quanto a Salin, que esta noite nem teve grande trabalho, diz ser a Nossa Senhora do Sporting, com a grande vantagem de ser real

Diogo Faro

Carlos Rodrigues/Getty

Partilhar

SALIN

Um equipamento todo ele vistoso, vibrante e que ilumina tudo à sua volta. Se juntarmos a isso o facto de nos salvar sempre que é preciso (muito pouco neste jogo, convenhamos), percebemos que, no fundo ele é a nossa Nossa Senhora, com a grande vantagem de ser real.

RISTOVSKI

Isso de correr o jogo todo, defender tudo o que se tem para defender e ainda ir várias vezes à linha cruzar, é para os defesas direitos mais fajutos, mais banais. Não é para o Ristovksi que aos 80 minutos de jogo ainda se mete no centro da área do Qarabag para cabecear aquela bonita bola que veio dos pés do Bruno Fernandes. Não marcou e ainda bem, que até já era um exagero para um defesa direito.

COATES

Para ele, a comida boa é um bife com batatas, não é um prato de lâminas de carne de vaca criada em feng shui com aveludado de bolota em cama de legumes mágicos dos Cárpatos. É simples. E como a comida, é a vida, é o futebol. A bola vem com perigo, corta-se. Simples. É preciso subir à área adversária para ajudar no ataque? Vai-se. Simples. Escorrega-se e perde-se a bola? Recupera-se. Simples.

MATHIEU

É central, é extremo, é avançado. Corta, cruza e ainda remata várias vezes, incluindo de livre direto. Juntou a isto tudo aquele momento em que picou a bola por um lado de alguém, que naquele momento desejou nunca ter saído de casa hoje, e foi buscar ao outro com o virtuosismo de um número 7. Que a lesão não seja nada, que bem nos faz falta este central. E este extremo. E este avançado. Fosse russo e era uma matrioska.

ACUÑA

Há quanto tempo é que eu andava a dizer que o Acunã devia ir lá para trás, na esquerda da defesa? Acho que nem o Peseiro era nascido, já eu dizia isso. Eu e mais uma data de gente, mas vamos fingir que só eu é que sou um visionário genial do futebol. De nada, Peseiro. Ali é que o menino está bem e espero que assim se mantenha.

GUDELJ

É um cobrador do fraque. Vai elegante, trata das coisas com gestos determinados e educados. Mas é melhor que não sejam insolentes para ele, porque num instante também saca do taco de baseball de trás das costas e só vos dá uns segundos para se despedirem de uma das vossas rótulas.

BATTAGLIA

Como alguém que passou por grandes provações, e agora recebe a devida recompensa. Depois de vários jogos a ter ao lado o Petrovic, também conhecido como o flamingo do Leste, hoje viu-se ladeado pelo Gudelj. E se antes se aguentou estoicamente e sempre jogou bem, agora continua a jogar bem mas com a vantagem ser um homem muito mais feliz.

RAPHINHA

Marcas golos é bonito, bem sei, e é com golos que se ganham os jogos. Eu sei, eu sei. Mas aquela cueca que ele deu na linha a um pobre desgraçado também é muito a alegria do futebol. É aquele tipo de nós que tentávamos que nos saísse na final do InterTurmas quando toda a escola estava a ver. A felicidade cruel de ver a bola passar displicentemente por entre as pernas de alguém que nos a queria tirar, é quase tanta como a de um golo. Junta-se a isto a vitória da equipa e o golo marcado, e o Raphinha teve hoje felicidades múltiplas.

BRUNO FERNANDES

Não me admiro nada que um dia destes o Bruno Fernandes, numa conferência de imprensa, admita acreditar que as bolas de futebol têm mesmo sentimentos, tal é a maneira como cuida delas. Em cada remate, em cada cruzamento, em cada corrida para as recuperar para si quando não as tem, conseguimos sempre notar o carinho que lhas tem. É um romântico do futebol.

NANI

Ali descaído na direita, ao canto da área, antes de alçar a perna para cruzar, já ele sabia que ia ser golo. Mais vidente que qualquer Maya ou Professor Bambo, ele em fracções de segundos previu que ia cruzar a bola rasteira com aquela curvatura e que o Raphinha iria aparecer ao segundo poste para encostar. Que assistência mágica.

MONTERO

Se não pediu desculpa ao defesa direito do Qarabag, devia tê-lo feito. Num lance em que o rapaz já estava descansado, ele vai buscar a bola. O outro, confiante, tenta disputá-la com o Montero. E este, sem uma réstia de dó que fosse, dá de calcanhar por trás dele, e quando a vai buscar ao outro lado ouve-se, no estádio e em todas as casas, o som dos seus sonhos a estilhaçarem-se pelo relvado. Alguém que durma hoje em conchinha com ele porque o rapaz vai precisar de conforto.

ANDRÉ PINTO

Esteve o jogo quase todo parado no banco porque não tinha nada para fazer. Depois entrou para subsituir o Mathieu e teve o jogo quase todo parado porque continuou sem nada para fazer.

JOVANE

Eu não sou incrível a matemática, mas fazendo umas contas por alto dá-me idea que ele tem 3 golos marcados por cada 10 segundos jogados.

DIABY

Entrou bem, aqueles 7 segundos. (isto já estava aqui da crónica anterior, mas serve igualmente).