Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Gudelj a entrar na vez de Battaglia? É como responder “Pode ser” à fatídica pergunta “Coca-cola não temos, quer Pepsi?", diz-nos Diogo Faro

No jogo dos leões frente ao Santa Clara, o nosso cronista afeto ao Sporting viu ainda certo argentino colocar a capa de Salvador Acuña para dar a todos os sportinguistas um resto de domingo descansado

Diogo Faro

EDUARDO COSTA/LUSA

Partilhar

RENAN RIBEIRO

O Renan fez no primeiro golo aquilo que eu devia ter feito ontem com o último shot de tequilla. Hesitou e não foi lá buscar a bola. Eu não hesitei e fui ao bar sabendo que já era demais. Tivesse sido ao contrário e teríamos evitado sofrimento a muita gente, principalmente a mim.

BRUNO GASPAR

Correu muito, mas sem grande eficiência hoje. Parecia que estava só a tentar apanhar o vento, até que foi bastante útil quando perto do final do jogo virou um atrevido que se ia aventurar contra a nossa baliza. Boa fruta.

COATES

Cabelo e barba arrumados na sua cabeça com muito aprumo, o mesmo aprumo que lhe faltou e a toda a defesa no golo do Santa Clara.

MATHIEU

Tu sais que je t’aime, mas aquele susto que me provocou uma arritmia no final do jogo era completamente dispensável. Saltaste, foste lá acima buscar aquela bola, mas cabeceaste para os pés dos outros. Como se não bastasse, a bola ainda voltou para a tua zona, não cortaste e deu origem àquele remate do Santa Clara que passou tão perto do poste que o Peseiro já tinha um “bem feito!” mesmo quase a sair da boca.

LUMOR

Só hoje é que fiquei a saber que se chama Lumor Agbenyenu, e agora acho que o Sporting o devia incentivar a usar Agbenyenu, e não Lumor, para dar mais trabalho aos comentadores. Tudo o que seja para os castigar pelas parvoíces que dizem, sou a favor. Portanto, Agbenyenu fez um jogo certinho com dois destaques importantes: o facto de nos fazer perceber que podemos continuar a jogar com o Acuña no meio-campo (excelente!) e lançou bem a bola da linha lateral para o Jovane cruzar para o golo. Talvez este segundo ponto não seja um grande destaque, afinal.

ACUÑA

Provavelmente, o melhor em campo. A minha alegria começou logo quando vi que ia jogar de início no meio-campo no lugar do Gudelj. Foi a melhor coisa do meu dia até essa altura, logo a seguir à Coca-Cola fresca que bebi para ajudar na ressaca. Entre cortes, correrias e cruzamentos com os dois pés (não, não com os dois pés ao mesmo tempo, não sejam ridículos), ainda usou a capa de Salvador Acuña para nos dar um resto de domingo descansado.

BATTAGLIA E GUDELJ

Ver sair o Battaglia por lesão para entrar o Gudelj é como responder “Pode ser” à fatídica pergunta “Coca-cola não temos, quer Pepsi?”. Safa, mas não é de todo a mesma coisa.

NANI

Claramente a poupar o seu talento para o jogo contra o Arsenal no qual vai marcar um golo e fazer uma assistência. Foi apenas por isso que não brilhou como tem feito já em vários jogos deste campeonato. Agora não nos deixes na mão na quinta-feira, ó Luís Carlos.

BRUNO FERNANDES

Sinto que não jogou Worms Armaggedon o suficiente. Se o tivesse feito, sabia bem melhor como atirar granadas quando o vento está forte, quer a favor quer contra, e alguma daquelas 65 bolas que rematou teria entrado.

DIABY

Se calhar está com saudades do Peseiro e as emoções triste não deixaram que fizesse um jogo da mesma qualidade que fez na semana passada. Já todos tivemos saudades de alguém ao ponto de as nossas pernas nem responderem em condições. Diaby, tens de ser forte. Lembra-te de como o Peseiro durante 6 jogos só te pôs a 27 segundos do fim, lembra-se daquela vez em que te disse que o jantar de equipa era às 23:45 e quando lá chegaste já estavam todos no café. Agarra-te a essas coisas para o esqueceres e voltares a jogar com alegria novamente.

BAS DOST

“Ó, ‘tá bem! Voltou logo aos golos mas foi de penalty, foi mais fácil!”. Antes que os palermas começassem a dizer isto, fez questão de repetir o penalty e marcar as duas vezes. Agora que já deu avanço aos outros avançados na lista de melhores marcadores, está na hora de arrepiar caminho.

JOVANE

Herói da revolução. Talvez não tenha sido um 25 de Abril ou um Maio de 68, mas o ímpeto de mudar as coisas foi o mesmo. Jovane entrou a perder, mas entrou para ganhar. Devemos-lhe um agradecimento sentido por estarmos em segundo lugar, ainda que possa ser provisoriamente.

MIGUEL LUÍS

Excelente entrada, ali com um pé a seguir ao outro, sem tropeçar nem nada. Depois acabou o jogo.

  • Um Sporting contra a agorafobia

    Sporting

    Fora de casa para o campeonato, o Sporting tem sido uma equipa com medo e nos Açores, durante largos minutos, esteve à vista novo resultado negativo como visitante. Mas Tiago Fernandes soube emendar a mão após começar o jogo com umas quantas experiências e na 2.ª parte os leões deram a volta, batendo o Santa Clara por 2-1, com Bas Dost a voltar aos golos e Acuña a confirmar o triunfo. Na tabela, o Benfica já ficou para trás