Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Diogo Faro celebra a não expulsão de Acuña num jogo em que o Vorskla foi quase tão inútil como um "Prós e Contras" sobre os limites do humor

O Sporting goleou o Vorskla (3-0) na última jornada da fase de grupos da Liga Europa e Diogo Faro só tem coisas boas a dizer sobre toda a gente. Como esta: "A principal nota positiva deste jogo do Acuña é não ter sido expulso"

Diogo Faro

Gualter Fatia

Partilhar

SALIN

Jogou quase tanto como quando é o Renan Ribeiro a titular.

RISTOVSKI

Bom jogo para voltar a ganhar ritmo e pôr o Bruno Gaspar em sentido, que o menino às vezes desleixa-se.

COATES

Patrão à antiga é patrão que não tira folga. Não há folga, não há greves, não há descanso. Aquela defesa, seja em que jogo for, é para estar arrumada e o patrão Coates está lá para isso.

ANDRÉ PINTO

Um jogo tranquilo, sem grandes sobressaltos, até porque o ataque do Vorskla foi quase tão inútil como fazer um Prós e Contras sobre os limites do humor.

ACUÑA

A principal nota positiva deste jogo do Acuña é não ter sido expulso. Se aquilo já era um equilíbrio bastante precário entre o jogo agressivo e o ser mais violento do que quando um adepto do Boca vê um do River simplesmente a existir, agora que já foi expulso esta época vamos estar o resto dos jogos – que ele jogar – a vê-lo na corda bomba de levar vermelho a qualquer momento.

PETROVIC

Tem dois metros de altura, mais dois metros de comprimento de nariz, e mesmo assim conseguiu não acertar na bola, num cruzamento perfeitamente à sua medida, quando estava completamente sozinho na área dos ucranianos. É como se um anão não conseguisse apanhar alguma coisa da prateleira mais baixa do supermercado. Não faz sentido.

MIGUEL LUÍS

Todos nos lembramos da primeira vez que fazemos sexo, que apanhamos uma “bubadeira”, que viajamos para fora do país, ou que fazemos a primeira coisa realmente importante no nosso primeiro trabalho. Marcar o primeiro golo pelo Sporting deve ser isso tudo junto, e nós todos ficamos contentes pelo Miguel.

MONTERO

Dois golos, uma receção de bola no peito que originou o segundo golo e uma merecida ovação do estádio, infelizmente na pior das situações. Não acredito em Deus, mas se houver algum Deus com o pelouro do futebol, deve ter sido ele a lesionar o Montero para ele parar com o massacre que estava a ser para o Poltava.

BRUNO FERNANDES

O que o Bruno Fernandes fez aos ucranianos foi pior do que o Putin lhes fez ao invadir a Crimeia. Mas além de o ter feito com honestidade, nunca fingiu que não estava ali para anexar todo o seu lado do campo, fê-lo com classe, com educação, com um saber estar que só está ao alcance de um general que faz parecer fácil aquele passe de calcanhar, ou aquele rodopio sobre si próprio que deixou dois adversários abraçados a chorar.

JOVANE

Ficou-me na memória aquela recepção de bola com a ponta da bota, como quem ampara a queda de uma fruteira de cristal sem que esta sofra sequer um risco. Cada vez que vejo pormenores do Jovane desta qualidade técnica, rio-me do meu amigo que há semanas disse que “o Jovane é só força bruta”.

CARLOS MANÉ

Vai-se notando a confiança crescente, mesmo que com passos em falso aqui e e ali. Um pouco como o comentador da SIC: confiante em todas as suas afirmações, e de repente diz “treuze” pontos. É continuar a trabalhar todos os dias para não evitar erros básicos. E o Mané também.

PEDRO MARQUES

Miúdo Marques, aquela de cabeça é para meter lá para dentro. Entrará a próxima, que até poderia ter sido o penálti que fizeram sobre ti e não marcaram. Parabéns pela estreia e que tenha sido o primeiro de muitos de leão (de leão adulto, digamos) ao peito!

THIERRY CORREIA

Rápido, sem medos, e claramente feliz por ali estar de verde e branco.

BRUNO PAZ

Chegou-me aquele lance em que rasgou dois ou três e isolou o Thierry para gostar dele automaticamente.