Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Petrovic, que parecia o Homem da Máscara de Ferro mas que afinal foi o Homem de Lata do Feiticeiro de Oz (por Diogo Faro)

O humorista e adepto leonino acompanhou o empate 1-1 do Sporting no Bonfim, onde reparou que em qualquer pausa durante o jogo Coates bradou aos céus “mon Dieu, mon Dieu, onde está o meu colega Mathieu?"

Diogo Faro

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Partilhar

RENAN RIBEIRO

Naquele momento em que o Nani só faz meio passe a achar que estava à vontade e a entrega ao jogador do Setúbal, tive um congelamento ao nível da zona testicular que simultaneamente me prendeu a respiração, valeu-me a defesa do Renan para recuperar. Se bem que nesta ter ganho 1 ponto ou 0, vai dar um bocado ao mesmo.

JEFFERSON

O Jefferson nem cruza mal. Dá-me ideia é que ainda não lhe explicou que o objectivo, quando cruza, não é acertar nos defesas, mas sim conseguir pôr a bola na área. Se acertar nos adversários desse pontos já o Jefferson era campeão sozinho.

RISTOVSKI

Foi expulso por ter guardado a bola dentro da sua testa. E não me digam que foi por palavras porque o árbitro não sabe moldavo de certeza.

COATES

Valha-nos o pulmão e a garra do Coates, que tanto é central, como é médio ou avançado. Isto tudo sem perder o fôlego, mesmo usando qualquer pausa que tem durante o jogo para bradar aos céus “mon Dieu, mon Dieu, onde está o meu colega Mathieu?”.

PETROVIC

Jogou com aspecto de Homem da Máscara de Ferro do filme com o mesmo nome, mas é tão preso de movimentos que parece que jogou com a habilidade do Homem de Lata do filme O Feiticeiro de Oz. No lance do golo do Setúbal, já o resto da equipa estava a tomar banho para voltar para Lisboa, ainda estava ele a virar-se para ver se apanhava o Cadiz.

DOUMBIA

Veio com um nome que não traz propriamente saudades, o que condiz com o facto de o jogo que fez também não deixar saudades. Sei que o homem andou a correr lá pelo meio, mas dado o caos que foi o jogo, não adiantou grande coisa.

WENDEL

Não lhe posso criticar a vontade com que esteve o tempo todo de marcar e ganhar o jogo. Mas se isto fosse o FIFA eu ia jurar que tinha o botão de sprint encravado, de tanto que correu em frente sem soltar a bola para os colegas.

BRUNO FERNANDES

Já eu estava de pé quando aos 91 ele alça da perna. Já eu tinha a garganta a vibrar quando a chuteira direita dele começa a bater na bola. Já eu estava sôfrego quando a bola vai no ar na direcção perfeita (?) da baliza. Já eu estava trista quando percebi que a sorte não protegeu o Bruno que tão audaz foi o jogo todo.

RAPHINHA

Elegante, esguio e rápido a passar entre os pingos da chuva e ao lado do jogo.

BAS DOST

Aquele meio calcanhar – meio lado exterior do pé bem que nos repôs a fé, e a justiça no jogo, é certo. Mas não estou tão certo que nos convenha que falhe tantos cabeceamentos por jogo. Pareceu-me hoje que estava a cabecear com a mesma convicção que eu cabeceio de sono sempre que vejo falar o António Tadeia.

NANI

Não podia ter entrado com uma atitude melhor, cheio de vontade de ganhar. Mas não conseguiu muito mais que contribuir um pouco para a jogada do empate – e ainda lhes ia dando um golo. Horas antes disse no Instagram que queria ganhar em nome do Paulinho que hoje faz anos. Pobre Paulinho que nem esta alegria nos anos lhe deram.

LUIZ PHELLYPE

Depois de cometer para ali uma falta, ainda insultou uma data de gente à sua volta. Mas como não faz falta contra o Benfica, não levou vermelho.

BRUNO GASPAR

Correu e lutou, já sem muito por onde pudesse contribuir. Bem sei que não nos adianta nada para a alegria de ganhar, mas como apreciador de futebol gostei do cabrito que lá deu.