Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

O prato de douradinhos de Acuña e o match do Tinder de Coates que deu para o torto (por Diogo Faro)

Aqui está a análise cuidadosa, internética e gastronómica do humorista Diogo Faro sobre os jogadores do Sporting que foram a jogo contra o Feirense

Diogo Faro

Gualter Fatia

Partilhar

RENAN RIBEIRO

Duas defesas importantes, dois golos sofridos (um deles anulado) e dois pés a tremer tanto que fizeram lembrar os primeiros anos do Rui Patrício. Só que o Rui tinha 18 anos.

BORJA

Era difícil não fazer melhor do que o Jefferson, mas isto no Sporting nunca se sabe. Tem umas combinações engraçadas com o Acuña e até acabou por fazer uma assistência. Perdoem-me se estou desconfiado apesar de ele até ter feito dois jogos razoáveis, mas pela maneira que o Sporting anda a jogar não posso ter a certeza que ele no próximo jogo não marca 5 auto-golos.

RISTOVSKI

Até se aguntou bem no jogo, mas aquele remate que era um alívio para o meio-campo do Feirense e que lhe saiu tão mal que lhes deu canto, foi o epítemo da tremideira que é a defesa do Sporting actualmente. A não ser que tenha sido de propósito só para se divertir e para provar a si próprio que conseguia rematar no sentido oposto ao que o seu corpo parecia querer fazer. O moldavo é meio doido, nunca se sabe.

COATES

Não é o mesmo sem o Mathieu ao lado. Não te jogado mal, tem aguentado o barco como pode, mas não é o mesmo. Parece um cão cujo dono o abandonou, uma criança cujo irmão gémeo foi mandado para outra escola, um utilizador do Tinder que deu match com outro mas agora o outro não responde. Está claramente desamparado.

ILORI

Excelente pirueta que deu sobre si próprio, completamente perdido sem saber o que fazer, e que resultou no golo do Feirense. Foi o ponto do alto seu jogo exemplar ao nível de nos deixar ainda com mais saudades do Mathieu.

GUDELJ

No início os comentadores tratavam-no por GUDÉLI. Depois passaram a tratar por GUDÉL. Agora tratam por GÚDEL. O ideal vai ser vai ser quando não o tratarem por nada, é sinal que não está em campo.

ACUNÃ

Valha-nos a raça deste louco argentino, que no meio de tanta força bruta que sempre tem no corpo, e na falta de discernimento que toda a equipa teve na primeira parte, conseguiu fazer uma maravilha de passe a isolar o Borja. Tendo em conta o que o Sporting estava a jogar, vi aquele passe com a felicidade de quem encontra uma fatia de sashimi de salão num prato de douradinhos.

WENDEL

Um rasgo ou outro, aqui e ali. Mas se noutros jogos já tanto elogiei a sua jinga de bossa nova a condizer com o bigode malandro à Chico Buarque, nos últimos jogos tem sido mais uma balada triste de sertanejo que só passa na rádio Tropical e que eu não quero ouvir mais do 3 segundos. Por favor, volta rápido a tocar Jobim.

BRUNO FERNANDES

No meio do marasmo de ideias colectivo que tem sido o Sporting, está sempre a lucidez e o talento do Bruno Fernandes. Se o Sporting fosse o Titanic, ele era o Jack e a Rose ao mesmo tempo. Tanto é o Jack que tenta salvar a Rosa (resto da equipa) a todo o custo, como é a Rose, que sobrevive contra todas as probabilidades e nos dá uma certa esperança no futuro.

DIABY

Fez uma assistência, meio sem saber como. De resto, foi muito à base de correr se grande para todos os lados sem grande objectivo como se estivesse a jogar à apanhada mas não soubesse se era ele que estava a apanhar ou a fugir.

BAS DOST

Quando olho para a relação dele actual com a camisola do Sporting, sinto-me como um amigo próximo de um casal que não está bem. Eu sei que eles são apaixonados, mas as coisas não estão bem. Será que me devo meter? Mas o que é que lhes digo? Não sei o que fazer. Mas sei que não gosto nada de os ver assim. Façam as pazes que a equipa precisa do vosso amor.

FRANCISCO GERALDES

Pergunto-me se custa assim tanto, a boa parte da equipa, jogar com metade – já só peço metade – da vontade com que entrou o Geraldes. Correu, lutou, passou, ganhou faltas. Sempre com a vontade que toda a gente devia ter quando tem a camisola do Sporting vestida.

RAPHINHA

Tem um novo corte de cabelo. Parece um manjerico.

DOUMBIA

Já não aqueceu, nem arrefeceu.