Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

A greve dos enfermeiros que tem Ilori solidário ou como Diogo Faro se sente como O Náufrago a ver o Sporting

Espanha lembra sangria, diz Diogo Faro, mas também lembra a eliminação do Sporting e como Gudelj surpreendeu por ter apanhado, por uma vez ao invés de ter dado. Quando a Bas Dost, o melhor é mesmo silêncio. A anaálise ao Villarreal - Sporting

Getty

Partilhar

Salin

Fez excelentes sprints pela linha final, tanto para um lado como para o outro, para impedir cantos para o Villareal e ainda impediu o segundo deles. E o terceiro. E o quarto, na verdade. E ainda bem, porque com 2-1 sempre podemos dizer "é pá, foi quase..." para nos enganar a nós próprios e irmos para a cama mais descansados.

Jefferson

Muitos sportinguistas dizem "se é para jogar com o Jefferson, mais vale jogar com só com 10". Ele, altruísta como é, fez-lhes o favor de ser expulso mas nem assim conseguiu ser útil.

Coates

Não se aguenta quando está rodeado de gente a falar espanhol. Sente-se em casa, relaxa, pede sangria, vai à net, vê a quanto é que estão as passagens para Montevideo, avisa a família que é para arrancar, começam a fazer as malas e entretanto o jogo já acabou, e para a próxima fase da Liga Europa já não há bilhetes.

Illori

Provavelmente tem familiares, ou amigos próximos, que são enfermeiros. Por solidariedade, também tem feito greve e pouco ou nada se mexe.

Borja

O colombiano fez vários bons cruzamentos. Mas foram tão ignorados pelos colegas de equipa que se deve ter sentido um título do escritor compatriota: Cem Anos de Solidão.

Gudelj

Surpreendeu pela positiva, na medida em que por uma vez na vida foi ele a levar vergastada o jogo todo em vez de dar. Já o facto de não conseguir organizar uma jogada de jeito só surpreendeu o Carlos Costa que é tão crédulo que até na sua própria inocência em relação ao caso CGD acredita.

Wendel

Como o Gudelj estava demasiado ocupado a pensar para como é que ia sacar espanholas, o miúdo de bigode de adulto perdeu mais tempo a defender do que a tentar atacar, o que acaba por ser um pouco inglório. Valha-nos saber que a seguir ao jogo estão os dois juntos no ataque.

Bruno Fernandes

A meio da primeira parte teve lá um lance em que acabou no chão, cheio de dores, agarrado ao peito. É como eu vejo os jogos todos do Sporting. Aliás, ver um jogo do Sporting actualmente é como ver o Náufrago. O Bruno Fernandes é o Chuck Noland e a bola é o Wilson, claro. O resto da equipa é a ilha deserta.

Diaby

Foi essencial na construção das bases construtivas e relativas da psicologia do jogador e da filosofia de jogo, bem como na assertividade técnico-táctica do pensamento wagneriano futebolístico do ponto de vista do existencialismo de Satre.

Ou seja, não fez nada.

Bas Dost

(vamos deixar aqui 3 parágrafos de silêncio pelo golo que falhou aos 93' que nos dava a vitória)

Raphinha

Foi a Espanha como quem está em Monte Gordo a passar férias e vai a Huelva só para pôr gasóleo e voltar. Hola, gracias, adiós.

Luiz Phellype

Minutos inúteis. Nem um sobrolho abriu desta vez.