Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Diogo Faro diagnosticou Bas Dost com alergia aguda contemporânea a bolas de futebol e tem um pedido: medique-se rapidamente o homem, sff

O humorista viu o jogo do Sporting frente ao Portimonense e constatou ainda que Ilori é um muro. Mas um muro como aquele dos EUA que é só para enfeitar porque está cheio de túneis por baixo por onde passa tudo

Diogo Faro

Carlos Rodrigues/Getty

Partilhar

RENAN RIBEIRO

Excelente defesa com o peito a salvar um remate que parecia golo certo. Muito rápido a dar o peito à bola pela equipa. E enquanto o Mathieu fazia isto, o Renan está deitado no chão a descansar.

RISTOVSKI

Sai do jogo com o mérito de ter sido o responsável pela ovação da noite. Um cruzamento de sonho? Um corte sublime? Um golo de antologia? Nada disso. Sofreu a falta que originou o primeiro amarelo (aos 70 e tal) para o Portimonense.

MATHIEU

Da maneira como se apresentou capilarmente, e depois desta ausência toda, não tenho a certeza se é mesmo o Mathieu ou o Silas do Código da Vinci. Se for este, é perfeitamente aceitável que se vá auto-flagelar por ter tido que jogar ao lado do Ilori.

IlORI

Mais uma exibição muito coerente do Ilori, muito constante em todos os jogos que fez desde o seu regresso. Parece um muro. Um muro como aquele dos EUA que é só para enfeitar porque está cheio de túneis por baixo por onde passa tudo.

ACUÑA

Fez o corredor esquerdo aproximadamente 783 vezes para cima e para baixo, como se estivesse a fazer o teste dos bips das aulas de Educação Física. Embora talvez um pouco agarrado demais à bola, como nas aulas de Educação Física em que calhou na equipa onde quase todos têm negativa e ele sabe que se lhes passar a bola eles a vão perder.

GUDELJ

Por favor, Keizer, nunca tires o Gudelj de campo. É que eu tenho um jogo de "bubadeira" com os meus amigos que consiste em beber um shot de whisky cada vez que ele perde uma bola, é lento a recuperar posição, remata completamente ao lado da baliza ou falha um passe. Costumamos todos chegar ao fim do jogo quase em coma alcoólico, mas hoje tiraste-o cedo. Valeu que ele perdeu uma bola de forma tão ridícula, e que deu o golo deles, que bebi logo meia garrafa para compensar.

WENDEL

Há uma lei no futebol que diz que se um jogador fizer 5 ou 6 jogos muito bons, mesmo que a seguir (por cansaço, recuperação de lesões ou outros motivos) não tenha o mesmo rendimento não pode sair do 11 titular. Mesmo que se tenha no banco Jovane ou Geraldes, tem que se aguentar. Pobre Keizer, está de mãos atadas, a culpa não é dele.

DIABY

Podia ter aproveitado esta época de folia e galhofa para se mascarar de jogador de futebol que não só é rápido a correr, como também é rápido a decidir o que fazer com a bola nos pés. Tinha dado imenso jeito e escusava de falhar golos sem sentido.

BRUNO FERNANDES

Se Conan Osíris só parte telemóveis, o Bruno Fernandes parte tudo. Parte jogadores isolados com nós apertados, parte defesas inteiras com passes rasgados, parte redes de balizas com golos encantados. O resto da equipa toda, em jeito de agradecimento, devia jogar o resto do campeonato com o nome Bruno Fernandes nas costas por tudo o que ele tem feito.

RAPHINHA

O gafanhoto estava inspirado, fartou-se de correr, fintar, rematar e cruzar. Só que os cruzamentos, para seu azar e desespero, iam sempre ter com o Bas Dost.

BAS DOST

O Varandas, ou outro médico qualquer, deviam diagnosticar oficialmente o que hoje foi fácil de confirmar. O homem está doente e já percebi o que tem: alergia aguda contemporânea a bolas de futebol. Faz simulações para a bola passar por ele, dá toquezinhos muito subtis para o lado em vez de rematar quando está isolado, agacha-se nos cruzamentos em vez de saltar. Mediquem rapidamente o homem, sff.

LUIZ PHELLYPE

Sempre coerente em todos os jogos até agora. Entra, dá porrada em alguém e leva amarelo. E o seu jogo está feito.

DOUMBIA

Não o ponham a titular em vez do Gudelj. É que ele é muito melhor, de longe, e vai-me estragar o tal jogo com os meus amigos. Respeitem a nossa diversão.

GERALDES

Jogou demasiado tempo. Acho que não é preciso dar uma alarvidade de 5 minutos para o miúdo jogar. É que ele entra logo cheio de energia, cheio de vontade de jogar bem, cheio de orgulho de estar vestido com a camisola do Sporting e depois destoa demasiado de alguns colegas. Para a próxima devia entrar só a 7 segundos do fim.