Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Ganhar ao Benfica vai ser fácil: basta Keizer cumprir estas três condições essenciais apontadas por Diogo Faro

Começa às 20h45 desta quarta-feira e decide um lugar na final da Taça de Portugal: o Sporting recebe o Benfica em Alvalade, ficou 2-1 para os encarnados na primeira mão e Diogo Faro tem uns conselhos para a sua equipa para este segundo jogo

Diogo Faro

NurPhoto

Partilhar

O título pode parecer clickbait, até porque o é. Mas ainda assim não é descabido. E claro que eu agora tenho a obrigação de vos esclarecer. Ganhar ao Benfica esta quarta-feira – e seguir para a final da Taça de Portugal – vai ser fácil se acontecerem determinadas coisas, claro.

A primeira condição essencial é o Keizer não deixar de apostar na titularidade do Gudelj, também conhecido como Kanté da Sérvia, Pogba dos Balcãs, Casimiro da ex-Jugoslávia ou até Ljubomir do Pesadelo na Cozinha (embora este último epíteto seja só atribuído por xenófobos que acham que os sérvios são todos iguais).

Até é pena que não tenhamos quatro Gudeljs para fazerem ali um quadrado no meio-campo e ficarem o jogo todo a fazer o seu movimento mais conhecido, o “piñata louca”, que é como fica uma piñata depois de levar a primeira paulada e fica à roda sobre si mesmo sem saber mais o que fazer à vida.

Outra condição mandatória é a titularidade do Bruno Gaspar. Mas felizmente com isso já nem temos de nos preocupar. Os mais distraídos se calhar não deram conta, mas logo no início do campeonato a Liga emitiu uma nova lei que dizia que, contra o Benfica, o Sporting não podia jogar nunca com o Ristovski, mas sempre com o Bruno Gaspar. Os árbitros têm sido exímios a fazê-la cumprir e nós só temos de agradecer. Para quê comer trufas quando se pode comer cogumelos de lata, não é?

A terceira e última condição obrigatória para que se torne fácil o Sporting ganhar seria jogarmos com a dupla de centrais Petrovic-André Pinto. É muito provavelmente a melhor dupla de centrais que o Sporting já teve desde aquele amigável em que jogou a dupla Paulinho-Jubas. Tanto André como Petro (para os amigos chegados, daqueles que sempre o incentivaram a ser jogador de futebol) são centrais rápidos, ágeis e a coordenação entre ambos faz lembrar os meus pés às 7h no Lux - tem graça ver como vai sempre cada um para seu lado, mas ando sempre a patinar e já me passa tudo ao lado.

Enfim, não têm nada que agradecer. É só seguir os meus conselhos e esta quarta-feira aquilo é limpinho. Fácil.