Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Casillas, o risco de Wendel dançar Dirty Dancing, Pulp Fiction, Macarena e o amor à mãe... de Bruno Fernandes (por Diogo Faro)

O humorista analisa a goleada ao Belenenses SAD, no Jamor, e tira o chapéu ao erro de Mathieu, "um amante do bom futebol". Afinal, "estava 2-0 para o Sporting, o jogo estava chato, mole, previsível..."

Diogo Faro

Gualter Fatia

Partilhar

IKER CASILLAS

Calma, não estou bêbado. Sei que não foi ele que jogou na nossa baliza, mas com certeza que o Renan Ribeiro não se importa de ceder aquele que é aqui o seu espaço habitual na crónica, para eu deixar os votos de melhoras rápidas ao Casillas.

RISTOVSKI

Mais um jogo bem conseguido, no qual fez aproximadamente 467 cruzamentos. Valha-nos que tem uma boa taxa de cruzamentos bem feitos, porque de facto homem só está bem a cruzar. Imagino que a obsessão se estenda para o dia-a-dia. No supermercado cruza as compras para a senhora da caixa, na rua cruza trotinetes para todo o lado de Lisboa e em casa cruza os filhos para a cama.

MATHIEU

É um amante do bom futebol. Estava 2-0 para o Sporting, o jogo estava chato, mole, previsível. Mathieu cansa-se disso, quer melhor, ele merece melhor, o futebol merece melhor. Faz um mau passe, tudo propositado, provocando a má recepção de bola do Borja que veio a originar o golo do Belenenses, e que foi uma descarga de energia para o jogo. Portanto, não se importou de ficar mal visto no jogo (para quem não percebeu que fez de propósito) em prol do espectáculo. Grande homem, grande jogador.

COATES

Eu quero ver onde é que, a um Domingo à tarde, vão arranjar uma daquelas espátulas industriais, daquelas muito grandes, para raspar tachos com tamanho suficiente para estufar uma vaca inteira, para ir descolar o Coates do chão. Desde aquele nó do Licá que não se voltou a conseguir levantar.

BORJA

Pobre Borja, maquiavelicamente apanhado desprevenido no plano do Mathieu para melhorar a qualidade do jogo, foi obrigado a fazer aquela recepção à Djaló. Sê forte, Borja, pensa e aceita que foi por um bem maior.

GUDELJ

O André Santos demonstrou que, além de ser uma grande sportinguista, é também um grande colega de profissão. O Gudelj esta época já tentou acertar na baliza 37 vezes e nunca conseguiu. Hoje, alça da perna para desferir mais uma galheta na bola que, provavelmente, iria fazer com que esta fosse aterrar no colo do Isaltino em Oeiras. Nisto, André Santos foi mártir. Viu o que estava prestes a passar-se e pensou “Chega! Por amor ao Sporting, ele alguma vez tem de acertar na baliza! Ainda por cima é certinho que o Diogo Faro vai implicar com ele na crónica do jogo. Vou desviar a bola com a cara”. E assim foi. Deu a cara ao manifesto e o Gudelj finalmente acertou na baliza. Obrigado, André.

ACUÑA

Estava tudo a correr bem até os comentadores começarem a falar na possível saída do Acuña para o Boca Juniors. Não é que tenha corrido mal depois, nada disso. O Acuña continuou a jogar tão bem quanto até ali. Eu é que comecei logo com palpitações e a formar lágrimas ao canto dos olhos.

WENDEL

Farta-se de correr, jogar e fazer jogar. Ah, e dançar. Se os 8 golos tivessem sido todos do Raphinha tinha feito ali a coreografia toda do Dirty Dancing, do Pulp Fiction, a Macarena e o Aserere.

BRUNO FERNANDES

Amo a minha mãe. Mas ela que me perdoe, se eu neste momento não estou a amar ainda mais a mãe do Bruno Fernandes por o ter trazido ao mundo. Só hoje, fez uma assistência de calcanhar, fez aquele passe de primeira que rasgou tanto a defesa do Belenenses que os centrais deles tiveram de ligar para a linha de Apoio à Vítima, marcou 3 golos, passando a ter 31 na época, ganhou o prémio de homem do jogo pela décima vez, voltou a usar a braçadeira de capitão e ainda fala na flash interview com uma clareza e clarividência tais, que o colocam numa excelente posição para tirar o lugar à Fátima Campos Ferreira na moderação do Prós e Contras. Muito, muito, obrigado, mãe do Bruno.

RAPHINHA

Os anúncios das marcas de telecomunicações estão constantemente a gabar-se sobre o quão rápido é o seu serviço de Internet e, para isso, usam muitas comparações. “A nossa fibra óptica é mais rápida que um Fórmula 1” ou “ah, a nossa é mais rápida que um cometa”, e mais uma data de comparações sem graça nenhuma. Mas se alguma destas marcas um dia destes me diz “a nossa Internet é tão rápida quanto o Raphinha”, aí ganham-me logo e pago serviço vitalício.

LUIZ PHELLYPE

Admito. Já me conquistou completamente. Acho óptimo aquilo de agora estar sempre a marcar golos, mas oferecer aquele ao Bruno Fernandes foi o mais bonito que marcou.

DOUMBIA

Também já é implicar com o Gudelj. “Vês? Eu pelo menos marco sem precisar da ajuda dos adversários”.

BAS DOST

Demora alguns segundos a marcar um golo, manda outra bola poste e ainda faz uma simulação que é meio golo no lance do golo do Doumbia. Pai Dost regressou desta forma no Dia da Mãe.

DIABY

Foi um menino lindo e altruísta que não guardou a bola para si, saindo dos poucos minutos que jogou com uma assistência (a meias com a simulação do Bas Dost).