Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Bruno de C. nomeado para sair de casa

Algures num universo espaço-temporal paralelo, a que poderíamos chamar de reality show e Diogo Faro batizou de "Casa dos Sportinguedos", é retratada a ascenção e queda de Bruno de Carvalho, para o humorista chegar à conclusão de que, afinal, foi mesmo tudo "um fabuloso espectáculo de realidade"

Diogo Faro

NurPhoto

Partilhar

Vive-se um clima de grande tensão na Casa dos Sportinguedos, e estes próximos dias podem ser – como diria o inolvidável Artur Albarran – o drama, a tragédia, o horror.

Nem sempre foi assim. A entrada de Bruno de C. na Casa foi mágica, repleta de esperança, a transbordar energia e amor verde e branco. Havia, no geral, tirando um ou outro olhar de soslaio, bom ambiente.

Bruno de C. estava feliz e era um líder carismático de quem quase todos gostavam. Convivia alegremente com o Juba S., com Jorge J., e até com Frederico V., que na altura era, na casa, o responsável por prestar primeiros socorros caso alguém se magoasse numa prova de karaoke ou se cortasse a picar cebola.

Mas o tempo vai passando e a vida na casa é cada vez mais tensa. Só sabe quem está lá dentro. São 24 sobre 7 e o Bruno de C. começava a expressar a sua irritação cuspindo fumo de cigarro electrónico para a cara dos outros. Do lado de fora, a apresentadora Teresa Proençalherme começa a ficar preocupada e o povo sportinguês agita-se.

No campo amoroso, a vida também era uma montanha-russa para Bruno de C. Com Cáludia do lado de fora da casa e longe da vista, rapidamente se apaixonou pela concorrente Joana O. De coração irremediavelmente generoso, Bruno de C. proclamou Joana como a nova rainha do pedaço e até lhe concedeu logo melhores funções dentro da casa: deixou de picar cebola, passou só a mandar picar.

Por esta altura, e com os resultados das provas de karaoke, matraquilhos humanos e mikado com esparguete, a não corresponderem às expectativas da audiência sportinguesa, as tensões dentro da Casa já começavam a ser constantes e cada vez mais intensas. E uma das grandes causas desta crescente tensão, além dos resultados, era o facto de Bruno de C, veio a perceber-se mais tarde, embora não se saiba como, ter conseguido contrabandear um telemóvel para dentro da Casa e usá-lo repetidamente para escrever posts no Facebook muito violentos e que acusavam vários outros concorrentes de serem paupérrimos jogadores de Candy Crush.

Estando já tudo num turbilhão, houve um acontecimento que precipitou o fim. Certa tarde, quando tudo parecia tranquilo em mais um dia de preparação para as provas, a Sónia estava a trocar de roupa na casa-de-banho, divisão da casa carinhosamente apelidada por todos por: Alcoshit. O Marco entra por ali adentro e dá-lhe um pontapé na cara.

Não contente ainda deu com o cinto na testa da mascote da casa (um pastor holandês), o Bas D., enquanto se ouvia o Bruno F. a despedir-se dos outros concorrentes a dizer que se era para aquilo ia-se embora.

Bruno de C. foi rapidamente acusado de ter orquestrado este ataque do Marco, neste episódio que ficou conhecido como A Invasão de Alcoshit. Foi então posto de castigo e Frederico V. ganhou a liderança da Casa dos Sportinguedos, chegando-se então à situação actual: Bruno de C. está nomeado para abandonar a Casa para sempre.

Será que vai mesmo ser expulso? Será que não? O que se seguirá em qualquer uma das circunstâncias? Difícil prever, mas descansando-nos saber que, a ser expulso, Bruno de C. poderá finalmente dedicar-te por inteiro à sua carreira de baterista e DJ, para deleite de todos.

Seja como for, uma coisa é certa: tem sido um fabuloso espectáculo de realidade.