Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Asereje e Macarena, sim. Tiktok, não. Comentários futebolísticos? Hmmm. Retórica e dialética para sempre (o protocolo de Diogo Faro)

O humorista Diogo Faro alinhavou uma série de novas regras para este futebol que será necessariamente diferente. Antes de mais, sugere que se altere o nome da modalidade para Futebolvid. Mas também deixa uma hipóteses mais ou menos exequíveis, que vão desde o posicionamento na baliza à obrigatoriedade de transformar este desporto de contacto numa outra coisa qualquer

Diogo Faro

Façam como os colombianos: celebrem com (ligeiro) distanciamento, que isto dos abraços não é recomendável

Adam Pretty

Partilhar

O regresso do futebol ainda está tremido e com mais dúvidas do que quase todos os fiscais-de-linha em quase todos os lances da vida deles. Já há data e uma série de regras, mas também há casos positivos e contestação. Como eu não quero ser mais um só a levantar problemas e apontar o dedo sem fazer mais nada (e atenção que sou quase tão bom nisso como o Ilori a tentar pôr as culpas no Coates quando falha um passe), vou deixar algumas ideias para regras que podem usar à vontade. Não tem de ser todas, claro. Escolham as que mais vos aprouver.

1 – Passar a chamar-se Futebol-Covid, ou Futebolvid, porque já percebemos que à partida vai ser um desporto diferente e que ninguém vai querer apanhar, nem sem querer.

2 – Ser só um baliza à baliza, vai rodando todos os jogadores. Se não tiverem força para tanto fazem a meio-campo. Para o Vietto pode ser lá mais à frente ainda, tipo linha da pequena área.

3 – Os festejos de golos têm de ser obviamente sem se agarrarem uns aos outros. Sugiro as seguintes coreografias que podem fazer entre a equipa toda, sem se tocarem: Macarena, Asereje, É o Bicho, qualquer uma do Drake. Evitar tudo o que é aquelas danças ridículas do tiktok, que fazem pior que o coronavírus.

4 – Nos cantos também não se podem estar lá todos a agarrar e têm de manter a distância de segurança, por isso vai ser parecer ainda mais ridículo quando fingem que foram puxados e se atiram para o chão. Mais vale não haver cantos. Numa situação em que daria canto, é logo penálti. Também fica com mais graça, assim.

5 – Extinguir todos os programas de comentário futebolístico, que por acaso quase nunca são sobre futebol em si. Mas isto nem é bem só por causa da covid, é mesmo para bem do país no geral e seria para sempre.

6 – Para evitar contactos, a roubo de bola ao adversário não podia ser através de “cortes” ou “carrinhos”, mas sim pela via diplomática. Ao se aproximarem um do outro, discutiriam o lance, sim, mas não com o corpo e antes através da retórica. A dialética com certeza que levaria sempre o melhor a bom porto. (acho que isto ia ser das melhores coisinhas que se podia ver, talvez na próxima crónica elabore todo um possível diálogo).

Tenho mais ideias, se precisarem. Para já levam estas para avaliar e logo me que dizem o que acharam. Não têm nada que agradecer, ora essa.