Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Diogo Faro viu naquele pisão a Ristovski e no intenso grito que se seguiu a componente sonora do quadro de Edvard Munch

Um pouco de cultura depois de mais um incrível jogo do campeonato português de futebol, em que o humorista viu o Sporting a empatar em Moreira de Cónegos e deixa, por isso, um pedido: nunca, em circunstância alguma, nem que o mundo esteja para acabar, pintem o cabelo de amarelo. Sim, Jovane, é para ti

Diogo Faro

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

MAXIMIANO

Sem nada de por demais relevante para falar sobre o Max, aproveito para falar do jogo em si. Repararam como foi mais um belo espectáculo do desporto rei da Liga Portuguesa? Se tivessem só mais uma noite para viver e pudessem escolher um único espectáculo para ver, o que é que escolhiam? A Aida de Verdi na Ópera de Sidney? A final da NBA? A Beyoncé com a Orquestra Sinfónica de Berlim? Venha tudo o que vier. Nada bate um jogo do campeonato português de futebol.

LUÍS NETO

Esteve um pouco inseguro, nem sempre clarividente, meio precipitado. Mas tudo é natural quando se viu a braços com a difícil missão de fazer o lugar do colosso central Eduardo Quaresma.

COATES

Preponderante desde o início ao fim. Tanto antes de começar o jogo, a remendar as redes de uma baliza (porque um clube profissional não consegue ter ninguém que o faça antes dos jogos) e também no fim, nas entrevistas rápidas a dizer que não tínhamos jogado um boi. Pelo menos foi isso que me pareceu que disse, mas eu também não sei muito bem espanhol.

ACUÑA

Nem percebi porque é que levou amarelo, mas deixou-me descansado. Depois de o Kanye West anunciar a candidatura à presidência dos EUA, de o Bolsonaro voltar a aparecer com o tocador de sanfona, de o António Costa ainda não ter dito que estava a brincar (naquilo de a final da Champions estar isenta de impostos), sabe bem um pouco de normalidade.

RISTOVSKI

Destaco o grito que deu quando foi pisado. Creio ter sido a componente sonora do quadro de Edvard Munch, tal foi a intensidade.

BORJA

Bem sei que não é propriamente talentoso. Gostaram do “propriamente” que usei? Também eu. Adoro eufemismos. Mas isto tudo para dizer que também é escusado o Max estar sempre a fazer-lhe passes todos mal feitos para ver se ele enterra. Não é que ele precise de ajuda para isso.

BATTAGLIA

Quem tinha saudades de o ver a titular ponha o braço no ar! Vá! Então? Ninguém? Aí ao fundo? Nada? Enfim, vocês também não prestam para nada. Um dia vão ter saudades deles e vão chorar. Estou a brincar, não vão nada.

MATHEUS NUNES

Estava a anotar no telemóvel o número de passes e remates falhados, mas fiquei sem espaço no cartão SD logo na primeira parte.

PLATA

Proporcionou a defesa da noite ao Max, que teve um reflexo de guarda-redes de futsal para evitar o golo do Moreirense. Dos momentos mais divertidos do jogo, sem dúvida alguma.

SPORAR

Fez-me muito lembrar o Petrovic. Tanto no estilo de jogo – avançado incrível, se bem se lembram – como no facto de não ter jogado hoje pelo Sporting.

JOVANE

Que isto sirva de lição a todos os jogadores do Sporting que andem a jogar bem: nunca, em circunstância alguma, nem que o mundo esteja para acabar, pintem o cabelo de amarelo. Ou pintem, mas depois digam ao treinador que estão com dores de barriga e não podem jogar. Todos aprendemos a lição com o jogo do Jovane de hoje.

NUNO MENDES

Ainda sacou um cruzamento ou outro, que chegou à área. E mais 7 ou 8 que foram só contra jogadores do Moreirense.

WENDEL

Jogada incrível, com uma boa troca de bola e com um remate que não foi mau de todo. Foi claramente a melhor jogada do jogo do Sporting. Foi aos 84 minutos.

JOELSON FERNANDES

É isso, miúdo. Mais uns minutos a participar no melhor espectáculo do mundo.