Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

João Félix entrou muito bem no jogo, a justificar o seu valor é €500 mil milhões, um castelo na Catalunha, as ilhas Cook e...

A análise humorística e irónica de Diogo Faro lamenta "o desperdício de ter o melhor lateral do mundo a fazer cruzamentos para jogadores como o Ronaldo", além de congratular a forma física de João Moutinho, estando ele já "tão perto da idade das pessoas que estão por esta altura a ser vacinadas contra a covid-19"

Diogo Faro

Quality Sport Images

Partilhar

ANTHONY LOPES

Tivemos mesmo muito em comum durante estes 90 minutos, sendo que estivemos ambos o tempo toda a pensar: “mas que aposta é que eu perdi para ter que estar a assistir a isto este tempo todo?”.

NUNO MENDES

Honestamente, foi um desperdício ter o melhor lateral esquerdo do mundo a fazer cruzamentos para jogadores como o Ronaldo falharem tudo.

RÚBEN DIAS

Jogo emocionante, com uma intensidade difícil de acompanhar. Quase com tanto dinamismo como o Evergreen no Canal Suez.

DOMINGOS DUARTE

No mesmo lance, e em tão poucos minutos com a camisola nacional vestida, conseguiu levar uma cotovelada e uma joelhada, ambos no queixo. Tudo o que seja abaixo disto não é patriotismo.

JOÃO CANCELO

A definição de um bom jogo de futebol é o Cancelo ter feito 7 bons remates, e termos ganho 1-0 com um auto-golo que é o guarda-redes a socar atabalhoadamente a bola contra o peito do seu defesa. Assim vale a pena.

JOÃO MOUTINHO

Estando já tão perto da idade das pessoas que estão por esta altura a ser vacinadas contra a COVID-19, não deixa de ser impressionante que ainda esteja em tão boa forma.

RÚBEN NEVES

Excelente desempenho no que se refere ao poupar do Palhinha para o regresso do campeonato daqui a umas semanas. É manter assim nos próximos jogos.

PEDRO NETO

O terceiro jogador do Wolverhampton a alinhar de início, sendo assim todo o meio-campo do clube, e a representar muito bem a sua selecção do principado do Jorge Mendes, que joga inserido na equipa de Portugal.

BERNARDO SILVA

Não me pareceu propriamente concentrado no jogo, provavelmente com a mente a vaguear entre o processo da venda das barragens da EDP, a crise na Groundforce, ter descoberto que o irmão do José Rodrigues dos Santos é candidato à câmara de Sintra, e a desilusão com a Sandra Celas, repórter Júlia do “Inspector Max”.

ANDRÉ SILVA

O remate mais perigoso que fez foi sem querer, com a nuca, de costas para a baliza. Mas também era contra a defesa do Azerbaijão, uma das melhores do mundo de todo o sempre, e portanto as dificuldades são mais que compreensíveis.

RONALDO

Quando chegamos a uma certa idade em que a nossa capacidade física é posta em causa para determinadas acções, é normal que como reacção tentemos provar o contrário. Mas é o Ronaldo, toda a gente sabe qual é a forma dele. Não sei se não é exagero arranjar desculpas o tempo todo para tentar mandar pontapés de bicicleta.

BRUNO FERNANDES

A bem da bonita história do jogo, optou por não marcar naquela que foi a melhor ocasião da segunda parte, e que seria o 2-0 num golo bastante razoável. Era estragar.

JOÃO FÉLIX

Entrou muito bem no jogo, a justificar a notícia que saiu há dias que revelava que o seu preço de mercado é 500 mil milhões de euros, mais um castelo na Catalunha, a totalidade das ilhas Cook e a detenção dos direitos autorais das Las Ketchup.

RAFA SILVA

Sem dúvida que mexeu no jogo e o tornou mais emocionante. Fez assim com que este tenha passado de um registo mais “documentário a preto e branco e sem som sobre o tipo de raízes dos pinheiros mansos”, para “documentário a preto e branco e sem som sobre o tipo de raízes dos pinheiros bravos”. Que adrenalina.

PALHINHA

Escusado ter sequer entrado em campo. Podia perfeitamente ter-se magoado naqueles três minutos, indo contra o superior interesse nacional dos jogos importantes que tem pela frente com o Sporting.

SÉRGIO OLIVEIRA

Nem conseguiu jogar, estando só feliz a lembrar-se do que tinha acontecido há dias quando lá tinha estado naquele estádio