Tribuna Expresso

Perfil

Diogo Faro

Diogo Faro usa aqui uma analogia histórica: se William fosse Londres, esta tarde tinha sido o Blitzkrieg

Aqui está a análise humorística de Diogo Faro após o descalabro que foi o Portugal - Alemanha para as nossas cores, numa avaliação com referências a guerra, a Passos Coelho e a posts no Instagram

Diogo Faro

Philipp Guelland / POOL/EPA

Partilhar

RUI PATRÍCIO

Isto de levar quatro, já lhe deve ter feito ter recordações dos tempos de Sporting. Claro que não teve o balneário invadido, mas o ego teve de certeza.

RÚBEN DIAS

Que eu saiba, o melhor jogador do mundo de todos os tempos (segundo alguns amigos meus do Benfica), nunca deveria marcar um auto-golo, fosse qual fosse a circunstância. Devia, no mínimo, ter um campo magnético desenvolvido por si próprio que impedisse que tal acontecesse. No entanto, é aqui que estamos.

RAPHAEL GUERREIRO

Por falar em auto-golos, tenho de completar? O Raphael Guerreiro é aquele gajo no grupo de amigo que diz que não é de esquerda, nem de direita. Marca um golo, depois um auto-golo, e assim não se compromete. (Se bem que na política, quem diz que não é de um, nem de outro, é sempre de direita, mas não quero estar aqui a dizer que ele é da Alemanha.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler