Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

Francisco, o PT dos futebolistas: “O Sarri chegou agora à Juventus e vai ser ele a dizer ao Ronaldo que não pode trabalhar fora do clube?”

É um preparador físico individual que faz treino específico de força, potência ou agilidade com os jogadores, à parte dos clubes. Francisco Martins trabalhou com cerca de 40 jogadores nesta pré-época, entre Renato Sanches (Bayern de Munique), Ricardo Pereira (Leicester), Luís Neto (Sporting), ou Rafael Leão (AC Milan), e acredita que este tipo de trabalho de ginásio é a base que permite a futebolistas "manter o talento como primeira capacidade de desequilíbrio". Diz que há cada vez mais jogadores a entenderem que, com este processo, "podem estar a ganhar €10 mil num ano e, no outro, €50 mil". Já chegou a conversar com Cristiano Ronaldo sobre o assunto e ficou na dúvida "se estava a falar com um jogador ou com alguém da área"

Diogo Pombo e Nuno Botelho

O treino especializado de Francisco Martins não se limita à parte física: também tenta "transmitir processos educativos", seja ao nível da gestão de carreira ou de "pequenos detalhes em que se devem focar".

Nuno Botelho

Partilhar

És mais procurado por jogadores nesta altura do ano, na pré-época?
Claro que sim. É propícia a que os atletas trabalhem nas férias, muitas vezes temos vários parâmetros em que eles se podem potenciar. Percebemos que o off season é uma época livre dos atletas para poderem fazer aquilo que pretendem. Descansar acima de tudo, porque é o fator mais importante, mas, ao mesmo tempo, prepararem novos objetivos para uma época que pode ser determinante nas suas carreiras.

Uma espécie de recuperação ativa?
Exatamente. Quando, por exemplo, falamos de um atleta que vai ser transferido para um clube novo e quer criar impacto logo desde o primeiro dia, eles começam a perceber que este trabalho ainda faz mais sentido na pré-época. Aumentar os níveis de força, de resistência, aeróbicos, de flexibilidade e de mobilidade. Muitas vezes, pegamos em parâmetros que são difíceis de trabalhar nos clubes, seja uma questão de ativações neuromusculares, ou trabalhos individualizados ao nível de prevenção de lesões. Então, eles começam a perceber que o off season é uma altura perfeita para poderem trabalhar e se potenciarem. Um jogador que chega à pré-época acima de todos os outros vai-se destacar para poder integrar logo a equipa. E, muitas vezes, temos o contrário: jogadores que aproveitam o off season para descansar e aparecem com mais peso. Se na primeira semana não consegue apresentar resultados e está muito abaixo do normal, pode ser logo um comportamento para não ficar na equipa, ser dispensado ou rodar em equipas inferiores. Portanto, é um oportunidade para quem quer brilhar na carreira.

Tens mais casos de jogadores que aproveitam esse tempo ou que se desleixam e aparecem mais tarde, já com a época a decorrer?
Tem muito a ver com a mentalidade de cada um. Hoje em dia, umas das grandes tarefas que temos ao longo do ano é transmitir processos educativos, seja ao nível da gestão de carreira, nos parâmetros que podem potenciar para desenvolver as qualidades físicas, quais os pequenos detalhes em que se podem focar. Começámos a perceber que muitas das nossas funções passam por educar os atletas ao nível do treino, do descanso, da alimentação e dos objetivos. Fazemos uma reflexão profunda do porquê de uma época não correr bem, de não terem jogado tanto. Porque, muitas vezes, tem a ver com o comportamento que os jogadores têm.

Mas, para fazeres todo esse trabalho, implica que o contacto com o jogador não seja só durante a hora ou hora e meia que estão juntos no ginásio.
Não tenho dúvidas que, hoje em dia, as redes sociais são um meio de comunicação importante para lhes transmitirmos o tipo de comportamentos que podem, ou não, ter. É assim que têm conhecimento dos aspetos em que podem trabalhar. O jogador ter consciência daquilo que pode vir a potenciar está a crescer cada vez mais.

Costumas partilhar estudos e artigos científicos nas tuas redes. Usas essa linguagem científica com os jogadores?
Tem muito a ver com o nível de conhecimento e a personalidade de cada um. Por exemplo, se tenho o Ricardo Pereira, que é extremamente inteligente do ponto de vista dos recursos que precisa ter para se potenciar ao longo da carreira, ele sabe não tenho problema em enviar-lhe um artigo científico a falar da importância do trabalho excêntrico ao nível da cadeia superior [na coxa]. Mas, se tenho atletas mais jovens, que ainda estão numa parte da vida em que essas questões não são importantes, tenho de utilizar outro tipo de linguagem para conseguir comunicar de forma a que eles percebam. Isso é a característica que, muitas vezes, define os treinadores: terem a capacidade de comunicar com diferentes personalidades. Se calhar, com o José Fonte, posso falar de certa maneira e com certo grau científico, tendo em conta a experiência dele, mas, se trabalhar com o Rafael Leão, que é mais jovem e ainda não tem essa parte do conhecimento, utilizo uma linguagem mais específica para a idade dele. Claro que ao longo da carreira deles posso ir aperfeiçoando e adaptando a comunicação.

O médico dos craques: “O Ronaldo pede-me artigos científicos para ler”

Quando os jogadores de futebol se lesionam nos joelhos, é a este homem que ligam. No seu consultório no Porto, José Carlos Noronha já tratou de atletas de 34 países, incluindo Cristiano Ronaldo, Pepe e Di Maria. É diretor da Unidade de Saúde e Performance da Federação Portuguesa de Futebol e esteve no Europeu pela primeira vez

Quando um jogador começa a trabalhar contigo pela primeira vez, qual é o processo?
Começamos por avaliar todos os aspetos do treino. Fazemos uma avaliação em que verificamos os recrutamentos neuromusculares dos grupos musculares. Percebemos se, no tornozelo, está a executar a flexão e extensão de maneira eficaz. Verificamos se os ângulos são assimétricos entre os dois membros. Analisamos a força base do atleta. Se existe amplitude de movimento em todas as articulações, que muitas vezes são o mais importante no jogador de futebol. Se a anca faz uma boa rotação externa, se o quadril faz uma boa flexão/extensão, se os posteriores da coxa estão a trabalhar de uma maneira eficaz. A primeira avaliação serve para conhecermos a base física do jogador. Depois, passamos para uma segunda fase em que avaliamos os níveis de força e potência. Estes testes são fundamentais para nós porque, mesmo sem o conhecer, consigo perceber, a partir das avaliações, se o jogador tem uma capacidade elevada ao nível das capacidades físicas ou se vive mais do talento. Ou seja, através dos níveis de força e força reativa, consigo traçar o tipo de trabalho que vou fazer com ele. Se apresentar níveis de força muito abaixo e for um atleta sénior, já sei que vai ser uma das prioridades na próximas 10, 12 ou 15 sessões. Tenho que poder avaliar e estudar a mecânica do atleta para perceber quais serão os primeiros indicativos em que vou pegar na periodização do processo desse atleta.

Disseste que consegues ver se o jogador depende mais do físico ou do talento.
Aqui nos testes vemos muitas vezes jogadores com muito talento, mas que não estão a um nível ainda mais elevado em termos competitivos porque nunca fizeram um trabalho de qualidade. Nunca se preocuparam com as questões do treino de força e das qualidades físicas, porque sempre acharam que não precisavam. Em determinada fase do desenvolvimento viveram sempre do talento e, depois, quando chegam ao patamar sénior, sentem muitas dificuldades de integração nas equipas principais. Não têm velocidade ou potência desenvolvidas que lhes permita manter o talento como primeira capacidade de desequilíbrio. Eles próprios começam a perceber que têm de dar mais importância ao trabalho de ginásio que nunca gostaram, ou que nunca forma informados da sua relevância. Muitas vezes, são os clubes que não apresentam as mais-valias do trabalho de força e potência - ou não existem as condições para o fazerem com qualidade.

Ou para ser um trabalho mais individualizado, em vez de todos os jogadores fazerem o mesmo?
Sim, é isso. É talvez a grande questão. Se são 24 ou 26 jogadores num grupo de trabalho é difícil individualizar o trabalho. Cada vez mais eles percebem que é importante recorrer a um fisiologista ou preparador físico individual, alguém especializado na área que os possa ajudar a progredir na carreira.

Já tiveste que dizer a algum jogador que ou começas a trabalhar aqui a sério, ou estás tramado porque ter bons pés não chega?
Claro. Nós educarmos os atletas tem a ver, exatamente, com estas questões. Muitas vezes, eles foram grandes estrelas na formação, chegam ao futebol sénior e estão três, quatro épocas sem conseguirem apresentar resultados concretos. Isso pode ter a ver com a capacidade de trabalho no treino. O jogador que não perceba a importância do treino dificilmente vai conseguir ter uma época em que não se lesione, ou que consiga ser regular.

Francisco Martins fez a formação no Belenenses e jogou futebol até aos 23 anos.

Francisco Martins fez a formação no Belenenses e jogou futebol até aos 23 anos.

Nuno Botelho

Já tiveste que dizer a algum jogador "ou começas a trabalhar aqui a sério, ou estás tramado porque ter bons pés não chega"?
Claro. Nós educarmos os atletas tem a ver, exatamente, com estas questões. Muitas vezes, eles foram grandes estrelas na formação, chegam ao futebol sénior e estão três, quatro épocas sem conseguirem apresentar resultados concretos. Isso pode ter a ver com a capacidade de trabalho no treino. O jogador que não perceba a importância do treino dificilmente vai conseguir ter uma época em que não se lesione, ou que consiga ser regular.

Podes dar exemplos de jogadores que chegaram aqui sem nunca terem pensado nisto antes?
O exemplo máximo é o Gonçalo Paciência. Há dois anos, quando trabalhou aqui connosco, numa primeira fase estava muito preocupado, não sabia bem ao que vinha. Tinha visto o nosso trabalho com outros jogadores, mas, não tendo conhecimento sobre o que era trabalho planeado e individualizado para as avaliações que tinha apresentado, ele estava algo reticente. A partir do momento em que começa a perceber que quanto mais trabalhava e se focava nisto, mais conseguia chegar ao jogo em níveis superiores, começa claramente a entender a importância que isto pode ter na carreira dele. Já era a terceira ou quarta época como sénior quando vai para o Vitória de Setúbal [2017/18]. Tinha estado na Académica, no Olympiakos e no FC Porto B, em épocas que nunca foram de afirmação. Uma das coisas que apresentámos ao Gonçalo foi que aquele trabalho podia ser um veículo para ele poder crescer e potenciar-se. Nunca me vou esquecer do mês de dezembro, em que acaba por ser o melhor marcador da Taça da Liga e vai à final. Foi um mês em que a performance dele estava elevada, claramente a um nível superior. Depois do jogo com o Sporting, antes de falar com ele, pensei que seria o último jogo do Gonçalo no Vitória de Setúbal. Ele foi um exemplo máximo de que só talento não chega. Teve que compreender todo o processo, ser inteligente e investir tempo para perceber que, daqui para a frente, a grande mais-valia deste trabalho é deixá-lo em níveis elevados.

Porque achas que têm dúvidas ao início? É medo de ficarem muito pesados de músculo?
Acima de tudo, pelo conhecimento que as pessoas à volta do futebol têm ao nível da fisiologia, anatomia e metodologia do treino de força. Os atletas dos 100 metros passam a vida no ginásio e são os atletas mais rápidos do mundo. Então, porque é que os treinadores e a maior parte das pessoas no futebol tem problemas com o treino de força e de ginásio? Tem a ver com falta de conhecimento. Como em tudo, claro que quando a periodização do treino é mal organizada e não se respeitam os processos de recuperação, ou quando a intensidade não é aplicada de uma maneira correta, é normal que existam fases em que, se não estiver habituado, o jogador não se mexa durante dois ou três dias se levar hoje com uma grande carga. Mas tudo depende da pessoa que está à frente dos atletas na parte da preparação física. Temos que ter em conta a quantidade de jogos que eles têm. Em fases em que não têm tantos jogos, sabemos que podemos potencia e trabalhar as componentes neuromusculares e mecânicas. A partir do momento em que começa a ter mais jogos, instala-se um processo de fadiga e temos de inverter o processo, olhar mais para os níveis de recuperação. Temos de ter essa capacidade de avaliar e analisar para podemos periodizar o treino. Essa é a grande ferramenta que nós, enquanto preparadores físicos individuais, temos que ter. Avaliar e prescrever segundo o que temos à frente. Por exemplo, se, num treino de força reativa, quisemos fazer quatro ou cinco saltos com o jogador e verificarmos níveis muitos baixos comparados com outros testes, ele está com alguma fadiga acumulada. Ou, se avaliarmos as horas de sono, podemos verificar que a própria postura do atleta no treino demonstra um estado de fadiga em cima. Vamos aplicar mais intensidade ou fazer um processo de recuperação? Temos que pôr a cabeça a pensar, estudar e ler. É isso que tentamos apresentar aos jogadores. Muitas vezes, se ele me disser que está cansado, digo-lhe para dormir a tarde toda, fazer um bom processo de recuperação e ter um bom trabalho de nutrição (hidratos de carbono, antioxidantes e ingestão de proteína) para que o processo seja mais rápido e cheguei ao próximo treino no clube num estado mais aceitável.

Os jogadores dizem-te que é impossível ter esse tipo de tratamento nos clubes?
Não. Acho que nos clubes se trabalha com muita qualidade. Ainda existem clubes com alguma dificuldade de organização, em termos das oportunidades que dão aos jogadores para trabalharem nestas coisas. Depois, tem muito a ver com as equipas técnicas. Se pretendem ter sempre os atletas recuperados e disponíveis para o jogo, muitas vezes não vão compreender a importância deste trabalho. Os treinadores dependem de resultados e se os jogadores não estão 100% disponíveis, os preparadores físicos também não vão estar 100% à vontade com a equipa técnica. Tem de haver uma grande capacidade de coordenação e cooperação entre a equipa técnica e os fisiologistas. Por exemplo, se temos um treinador que chega a um clube e não gosta que os atletas façam treino de ginásio, qual será a função do preparador físico que estava encarregue dessa metodologia? Se fizer 5% do que é o seu conhecimento, já é muito.

Na última época, o Maurizio Sarri disse que os jogadores no Chelsea não treinavam com pesos no ginásio.
Ainda é normal que muitos treinadores tenham esse pensamento. Mas, depois, verificámos que não é isso que acontece no trabalho individual dos atletas. Muitos dos que jogam em níveis superiores já fazem trabalho complementar, seja dentro ou fora do clube. O Sarri chegou agora à Juventus e vai ser ele a dizer ao Ronaldo que não pode trabalhar fora do clube? Que capacidade tem ele para dizer o que seja a um atleta que vive das qualidades físicas? E sabe que, se calhar, uma das grandes capacidades que lhe permite estar num nível top é a parte mental, o talento e a parte das qualidades físicas.

Já trabalhaste com o Ronaldo?
Nunca tive essa possibilidade. Já tive oportunidade, quando estive de férias, de trocar algumas impressões com ele. Nessa conversa, o que me impressionou mais foi o nível tão elevado de conhecimento que ele tinha da área do treino, dos processos de recuperação e tudo o que envolve estas questões. Às vezes até pensei se estava a falar com um jogador ou com alguém da minha área. O que é que isto representa? Que, para estarem em níveis superiores, os jogadores têm de ser extremamente inteligentes.

Como é feito o contacto com os clubes? Os jogadores têm de pedir autorização?
Sim, a maior parte dos atletas que trabalham connosco no off season pode fazê-lo à vontade, visto que é uma época em que não existem restrições. Durante a época já é mais difícil, nem sempre é possível, porque muitos jogadores também estão no estrangeiro. Mas, acima de tudo, acho que tem muito a ver com os princípios e o comportamento que o atleta tem que ter com o clube. Se temos um atleta que já é acompanhado por um preparador físico e um fisioterapeuta ao longo da carreira, não vejo problema de comunicar ao clube que já o faz. Acho que tem de haver bom senso e cooperação entre as partes. O que quer o clube? Que os jogadores tenham resultados dentro do campo. O Ricardo Pereira começou a trabalhar connosco em 2016 e, de ano para ano, foi sempre evoluindo e mudando de clube. Neste momento está entre os cinco melhores laterais do mundo. Na fase inicial do processo, analisámos a quantidade de lesões que o Ricardo tinha tido nas três épocas anteriores, ao nível do joelho e da cadeia posterior. A quantidade de jogos que ele parava. Procurámos trabalhar a mobilidade, a força excêntrica, processos de recuperação, flexibilidade e força máxima, além de importância de trabalhar potência com várias cargas. Ele começou a perceber e a ver aquele trabalho como a chave da carreira. Por mais clubes pelos quais passe, ele sabe que esse trabalho vai estar sempre com ele. Hoje em dia, os clubes não proíbem os atletas por saberem que esse trabalho é fundamental. Porque, quando contratam um jogadores, os clubes querem que tenha resultados dentro de campo. Outro exemplo, o Guardiola tem um jogador na equipa, o Gabriel Jesus, que contratou um preparador individual para trabalhar com ele em Inglaterra na última época. Quantas lesões teve? Nem uma, se teve, foi com toques e traumatismos. Se perguntarem ao Guardiola se vê uma mais-valia no facto de o jogador trabalhar com um preparador, será o primeiro a estar a favor. Ele quer é que o jogador esteja preparado para entrar no campo e executar toda a filosofia de jogo. O próprio Guardiola disse-o numa entrevista, que se fosse preciso essa pessoa vinha ver os treinos e comunicava com o departamento de Sports Science do clube. Se eu souber o que os jogadores fazem do clube, vou pegar nas peças que ficam fora para serem a base do treino. É importante compreendermos todo o processo que está a ter dentro da equipa. Se só trabalham força máxima e potência, então se calhar não pego nisso. O objetivo não é entrar em sobrecargas, é aumentar-lhes a performance.

Instagram

Há pouco tempo fizeste um post com os resultados de exames físicos da equipa feminina do Lyon, por causa da Jéssica Silva. O clube não se importou com isso?
O que a Jéssica me disse foi que a equipa de sports science do clube ficou completamente espantada com os resultados que tinha apresentado à chegada. Inclusive, disse-me que tinha tido valores mais elevados do que quem tinha sido considerada melhor jogadora da seleção dos EUA, uma semana antes. Isso demonstra, claramente, que as equipas técnicas devem ficar satisfeitas quando atletas chegam aos clubes e apresentam logo resultados. Este trabalho serve para dar mais qualidade aos atletas e para ser integrada no clube. Se me dissessem que não tinha qualidade e que os jogadores não procuravam cada vez mais este trabalho, aí haveria um problema.

Então não tiveste problemas em tornar esses dados públicos?
Não. A Jéssica enviou-me aquilo e demonstra que, em Portugal, ainda existe pouco conhecimento ao nível do treino das qualidades físicas nas mulheres. Se a melhor equipa do mundo, o Lyon, que ganhou a Liga dos Campeões nos últimos quatro anos, vai buscar uma jogadora pelas suas qualidades e ela apresenta valores no treino fora do normal - porque ela apresenta valores mais elevados do que jogadores que tenho na seleção nacional -, isso mostra que uma das grandes armas que a Jéssica tem são as qualidades físicas. Se em Portugal ainda existem clubes que não se preocupam com o desenvolvimento deste trabalho nas mulheres, isto é a prova de que quem está errada não são os franceses. São ainda muitos clubes portugueses que não se preocupam com isso. No Holanda-EUA da final do último Mundial, fiz uma pesquisa e vi que a maior parte das jogadoras americanas já fazem este tipo de trabalho desde os 13, 14, 15 anos. Se a partir dessa idade se começar a trabalhar no desenvolvimento motor, fisiológico ou coordenativo, quando os atletas chegarem aos 17, 18 anos vão estar a um nível muito mais mais elevado. A Jéssica falava muito comigo sobre isto: o que desponta mais no futebol feminino é o desenvolvimento das qualidades físicas. As seleções que chegam longe nas competições são os EUA, a Alemanha, a França, a Inglaterra e a Holanda. Basta uma pequena pesquisa para verificarmos que, nestes países, as mulheres são extremamente altas e apresentam níveis de força superiores. E, se as jogadores portugueses e espanholas só têm talento, já sabemos que vão perder grande parte dos duelos durante o jogo. Portugal só foi uma vez a um Europeu, o que pode ser um indicador de que, se não começarem desde cedo a fazer um trabalho deste tipo, dificilmente vão chegar à seleção principal com capacidade para conseguir lutar com estes seleções neste aspeto.

Há grandes diferenças entre homens e mulheres ou é só questão das cargas a aplicar?
Tem muito a ver com a intensidade. Não podemos colocar a mesma que se usa nos homens para as jogadoras portuguesas. Se me disserem assim: 'Francisco, vais fazer este trabalho na seleção dos EUA'. Se calhar aí estamos a falar de mulheres que treinam melhor do que muitos homens em Portugal. Elas têm treinos extremamente fortes e profissionais. Se ainda não existe essa preocupação no futebol feminino em Portugal, então, nos próximos 10 anos, se formos a um Europeu ou um Mundial já é muito. Acho que está a começar a crescer, as pessoas já compreenderam que é fundamental.

A história da “mimalha” que idolatra Ronaldo mas que não quer ser como ele

A mãe não tinha dinheiro para comprar bolas, mas Jéssica Silva cresceu sempre com uma redondinha no pé, mesmo que fosse feita de jornais enrolados. Deveu-o ao pai, ex-jogador do Belenenses que morreu quando ela tinha apenas dois anos. Aos 22 anos, Jéssica já é uma das melhores jogadoras portuguesas mas diz que ainda tem muito que crescer para conseguir escrever a própria história, como Cristiano Ronaldo: “Quando me picavam e diziam coisas feias e más, desatava a chorar em campo”

Gostarias, algum dia, de passar a trabalhar diretamente num clube?
Não é fácil responder. Isso envolve muitas outras coisas. Quando estava na faculdade estagiei em alguns clubes de dimensão menor, o Oeiras, a escola do Manchester United que estava ligada à do Carlos Queiroz, no Linda-a-Velha... Eram clubes onde, na formação, é difícil trabalhar. Onde sabemos que durante 90% do tempo em que os jogadores estão no clube é para estar a trabalhar no campo. Não estão focados no desenvolvimento das capacidades físicas. Percebi que, se pudesse juntar a paixão por este tipo de treino fora do clube, talvez o trabalho poderia ser construído de raiz e realizado com uma qualidade muito maior. Podemos ser contratados por uma equipa técnica, que me vai deixar fazer tudo, mas, se por acaso essa equipa técnica perde três jogos, o presidente decide que o treinador já não faz sentido e o manda embora, e se vier um treinador como o Sarri, que ache que isto não é importante, então já é bom se fizer 5% do meu trabalho. Isso ainda acontece muito no futebol e talvez por isso o meu grande projeto vá sempre ser fora dos clubes, porque teremos mais liberdade e capacidade de monitorização do treino.

Fizeste a formação como jogador no Belenenses, mas desististe do futebol. Porquê?
Quando era juvenil, aos 14 ou 15 anos, já tinha uma paixão enorme pelo treino. Lembro-me de sempre ter o bichinho de que algum dia ia estar na parte do treino. Já lia livros do José Mourinho e da periodização tática. Via os jogos da Juventus, na altura com o Patrick Vieira, o Zlatam Ibrahimovic e o Pavel Nedved, e já fazia relatórios de jogo: como jogavam no processo defensivo, ofensivo e como era o tipo de transições defesa-ataque. Fazia cadernos de todas as equipas que gostava. Já tinha uma grande preocupação com o treino e a análise de jogo. Quando cheguei aos juniores do Belenenses e conheci o Rui Jorge, atual selecionador nacional de sub-21, comecei a ter maior noção das questões de liderança e organização do treino. Aí percebi o que é a metodologia de treino. Depois, aos 18, 19 anos, ainda consegui investir na parte de ser jogador, quando já estava na faculdade. Jogava como defesa central e estava nas aulas de Psicologia, ou de Bioquímica, e ficava no YouTube a ver vídeos do Luís Neto, que agora está no Sporting. Na altura estava no Nacional, via os jogos e achava-o extremamente competente nas ações em campo. Foi engraçado ver como crescia ano após ano. Uma das minhas grandes referências foi sempre ele. Ainda hoje lhe digo isso. Também via o Fabio Cannavaro e o Pepe. Mas lembro-me sempre do Neto e dos jogos contra o FC Porto ou o Benfica, em que conseguia limpar o jogo todo. Com 23 anos, ainda joguei no Carregado, já estava a terminar o curso, foi o meu último ano, estava a tentar ver se ainda crescia enquanto jogador, mas o talento não era muito. Então, a partir daí, comecei a investir muito mais na parte da preparação física, pela qual também sempre tive uma grande paixão. Quando era iniciado, no Belenenses, o treinador disse-me que não sabia fazer lançamentos de linha lateral. Então fui para casa, comecei a investigar e descobri que, no atletismo da União Soviética, faziam muito trabalho de potência com cargas externas que requer bolas medicinais. Fui à Decathlon comprar uma bola de quatro quilos e, durante uma semana, estava na rampa de minha casa e o objetivo era acertar no portão. Cada vez que fizesse barulho e o meu pai me viesse chatear a cabeça, era sinal de que estava a ganhar força. Passadas uma ou duas semanas, cheguei ao clube, peguei numa bola, fiz um lançamento e consegui meter a bola dentro da área. Se temos um aspeto menos positivo e sei que não sou muito bom nele, posso ir para casa, investigar e procurar e pode, no futuro, ser um recurso utilizado a meu favor. O meu treinador deu-me os parabéns por ter melhorado e, depois, pôs-me a fazer lançamentos tanto do lado direito, como do esquerdo. Quando nós, atletas, temos a capacidade de verificar que algo está e que vamos melhorá-lo, é isso que tentamos fazer com eles.

Instagram

O facto de teres sido jogador e passado por estas coisas facilita o trato com os jogadores? Eles têm mais confiança em ti?
Não tem grande influência. Talvez tenha um pouco pelo facto de ter conhecimento ao nível do jogo, mas, acima de tudo, a grande evolução que temos tido foi a minha capacidade de estudo, de querer sempre mais e dar mais recursos aos atletas. Meti na cabeça que, de manhã, tenho de ter tempo para estudar, durante uma hora. Ao final do dia faço mais uma hora, seja a estudar um artigo ou a ler um livro, para planear alguma coisa. Todos os dias me preocupo em atualizar-me sobre questões da minha área. Se não investirmos na nossa formação, mais tarde ou mais cedo ficamos para trás.

És um nerd no bom sentido?
Não me vejo tanto como um nerd. Se queremos evoluir, temos que investir mais na nossa formação. É isso que digo aos atletas, quando perguntam como cheguei aqui. Digo-lhe que se se formarem mais enquanto jogadores, também terá mais rendimento. Agora, se só vens aqui de vez em quando, pá, dificilmente vais chegar a níveis superiores. Se eu só pegar num livro de ano a ano, também vou perder a minha capacidade de trabalho com os atletas.

Também discutes pormenores técnicos e de bola com os jogadores?
Ele é que têm de dominar esse recurso, são eles que estão inseridos no treino e no jogo. Mas, por ter passado enquanto jogador de formação e conhecimento com o Rui Jorge, sei que, muitas vezes, o problema pode estar em questões de concentração, de foco e de aspetos técnicos. O que tem muito a ver com a exigência que cada jogador tem.

E trabalhas com jogadores de níveis mais baixos, como da distrital?
Também temos pessoas de outros patamares que nos procuram. Sobretudo, damos recursos a todos. Costumo dizer que tenho enorme paixão por trabalhar com todo o tipo de atletas. Trabalhar com uma pessoa que nem joga em divisões superiores, mas que tem um grande objetivo de lá chegar, é a mais-valia do nosso trabalho. Às vezes pegamos em atletas muito jovens, que jogam em distritais, e ao longo de dois ou três anos eles só começam a ver frutos a partir do terceiro. Por exemplo, comecei a trabalhar com o Tiago Gonçalves aos 15 anos e, com 18, acabou de assinar o primeiro contrato profissional, para jogar em Itália [ex-Belenenses, transferiu-se para os sub-20 do Génova]. Ele percebe a importância de todo este acompanhamento. Ele achava que era impossível chegar a este patamar. Muitas vezes analisava os jogos, fazia um relatório do que ele fazia, aspetos que podia aperfeiçoar, e teve uma evolução brutal. Ele até pode treinar com um jogador de nível de seleção, mas, se tiver níveis físicos altíssimos, esse jogador vai perguntar quem é aquele miúdo.

Mas o talento pode continuar a separá-los.
Sim, além da capacidade de evoluir. Mas, lá está, começou a chegar a um nível em que o foco e a capacidade de trabalho já estão a compensar.

O vosso acompanhamento é acessível em termos de preço?
Sim. O que procuramos mostrar é que os jogadores estão a investir no futuro deles. Quando estamos a falar de atletas profissionais, compreendem que este processo lhes pode mudar a carreira. Podem, num ano, estar a ganhar €10 mil e, no outro, €50 mil. Não digo que é este trabalho que fará a diferença, mas os mecanismos que envolvem todo este processo de educação e desenvolvimento, pode fazer com que percebam que é aqui que está a chave para a assinatura de um contrato em que ganhem três, quatro ou cinco vezes mais. Disso não tenho dúvidas. Os jogadores percebem que estão a investir na carreira para chegarem a patamares superiores. Não estão a gastar dinheiro na noite, a abrir mesas no Guilty ou no Lust, a jantar fora com os amigos ou a gastar o dinheiro em roupa. Isso são acessórios, são coisas que lhes dá satisfação, mas não os fará evoluir ao longo da carreira. Quando me dizem que pode ser caro, pergunto: 'Então o que é caro para ti? Se fores a uma joalharia e comprares um relógio de €30 mil, se calhar já não é caro'. Perguntem ao Cristiano Ronaldo se faz sentido, ou não, gastar dinheiro na preparação física. Há jogadores que preferem ter os filhos a comprar roupa da Dolce & Gabbana e da Gucci, que passado dois meses já não serve, mas depois não têm capacidade de investir num fisioterapeuta ou na recuperação das lesões. São prioridades de vida, cada um escolhe o que quer para a carreira.

Dás muito na cabeça aos jogadores?
Sim. Tento ser o mais frontal possível com os atletas. É uma das características que vim a ganhar com eles: essa capacidade de, olhos nos olhos, confrontá-los com as coisas. Se um jogador não está a ter rendimento na equipa, não é porque o treinador não gosta dele - é porque o comportamento dele não é o mais adequado. Muitas vezes é essa a primeira conversa que tenho com eles. Ok, poderá haver outras situações, em que o nível competitivo é muito elevado, por exemplo, mas aí digo-lhes que têm de ser pacientes, resilientes e continuarem a trabalhar muito. É aqui que sei que está a grande mais-valia do meu trabalho. Não dou palmadinhas nas costas a ninguém. As pessoas sabem que aqui, comigo, é para trabalhar, é para terem resultados e a grande coerência no meu trabalho é a responsabilidade, confrontá-los com tomadas de decisão que tiveram. Se o atleta quer continuar sem jogar mais uma ou duas épocas, problema dele. Já conversámos, já lhe apresentámos os problemas para ele não jogar, se quer continuar a ter esse tipo de comportamento, a culpa não é do treinador, nem do empresário. A decisão é dele. Ele é que vai ser pouco inteligente na gestão da carreira, porque um dia pode estar a ganhar €80 mil e, daqui a uns anos, não tendo essa capacidade de reflexão, pode estar a recebe uns três ou quatro mil. Isto tem muitas vezes a ver com processos educativos, de inteligência, mas isso parte de cada um optar pela melhor opção.

Quantos jogadores profissionais trabalham contigo, neste momento?
No último mês, nesta pré-época, tivemos aqui perto de 35 ou 40 atletas a trabalharem connosco. Há sempre alturas e dinâmicas, mas sim, cada vez trabalhamos com mais jogadores. No total, temos mesmo muitos, o que é o maior indicador de que este projeto tem pernas para andar. Não é só de treino que falamos, de mandar fazer agachamentos ou elevações, não, nós criamos um sistema que tem um processo avaliativo e não é por um jogador fazer 10 sessões que vai ter resultados. Não é por trabalhar aqui connosco e não fazer nada no clube que vai ter resultados. Isto envolve um compromisso. No 'The Mamba Mentality', o livro do Kobe Bryant, ele apresenta todo o processo que o levou a chegar onde chegou, é uma coisa que o atleta tem de estar por dentro, a toda a hora. Não pode ser só uma hora de manhã e depois faz o que quiser na vida. Esses são aqueles que não vão chegar a níveis superiores.

João Couto, a velha raposa que ajudou a construir Cristiano: “Um campeonato nacional vale muito menos do que uma formação como deve ser”

Começou a treinar na formação do Sporting em 2000. Viu a Academia nascer, treinou Cristiano Ronaldo e companhia, passou por Benfica e Al-Ahli Jeddah e depois, em 2014, regressou. Vai na 11.ª época de verde e branco. Em entrevista à <strong>Tribuna Expresso</strong>, João Couto fala de conceitos, dos papéis de miúdos, pais, treinadores e empresários, da "chatice" dos contratos profissionais assinados demasiado cedo e indica para onde deve caminhar a formação em Portugal