Tribuna Expresso

Perfil

Entrevistas Tribuna

David Coulthard: "O Verstappen está 100% focado. Sabe que tem de ir lá pela consistência. E acho que a McLaren pode ganhar corridas em 2021"

Chegou à Formula 1 em 1994, quando substituiu Ayrton Senna na Williams, e só saiu em 2008. Pelo caminho, 13 vitórias e um vice-campeonato em 2001. Nesta conversa com a Tribuna Expresso, David Coulthard fala do GP Portugal, do traçado de Portimão, de Max Verstappen e do seu recente projeto, a W Series, um campeonato de monolugares exclusivo para mulheres

Lídia Paralta Gomes

John Marsh - EMPICS/Getty

Partilhar

O que lhe ficou na retina da pista de Portimão na estreia em 2020?
Os meus tempos de piloto dizem-me que sempre que há mudanças de elevação numa pista isso dá toda outra dimensão ao piloto. Já estive em Portimão a testar pneus, também com o DTM e soube logo que os pilotos iam adorar o circuito. E eles adoraram, adoraram mesmo. Acho que o entusiasmo deles também tem influência em quem está em casa a ver a corrida, porque os fãs imaginam como será conduzir ali com aqueles carros. Por isso o que tivemos em 2020 foi uma pista que nos deu um grande prémio entusiasmante, muito desafiante para os pilotos e está toda a gente bem feliz por voltar cá. Além que é um país porreiro, com pessoas porreiras, um circuito fantástico. Juntas isso tudo a um início de época que tem sido muito bom, com batalhas muito equilibradas entre o Lewis Hamilton e o Max Verstappen no Bahrain e em Ímola e há um entusiasmo genuíno com o que vem aí esta temporada.

Na época passada o traçado tinha um asfalto novo o que acabou por criar alguns problemas de aderência aos pilotos. Este ano isso não deverá ser um problema por isso poderemos ver os pilotos mais à-vontade e uma corrida mais espectacular?
Sim, aconteceu o mesmo em Istambul, os pilotos queixaram-se que não havia aderência. Mas a verdade é que se calhar foram duas das melhores corridas do ano. O que nós queremos é que os pilotos sejam desafiados. Se o carro andasse em carris, como os comboios, tudo o que tínhamos era desempenho do carro. Mas quando os pilotos têm de procurar essa performance, acho que é algo que eles na verdade gostam. A pista vai evoluindo e os pilotos têm mais experiência este ano, os engenheiros já percebem melhor o circuito.

Os tais dados que faltavam há um ano e que deixava toda a gente mais na expectativa.
Sim, exatamente. A Fórmula 1 é um mundo orientado por dados. Em 2020 basicamente o que havia era trabalho de simulador, agora o simulador já usa dados factuais.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler