Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Entrevistas Tribuna

Pany Varela, o herói que jogava com bolas de trapos: “Nunca quis ser o próximo ‘alguém’. Espero que os miúdos queiram ser eles próprios”

Com oito golos em sete jogos, o jogador do Sporting foi o grande destaque individual do inédito título mundial conquistado pela seleção de futsal. Em entrevista à Tribuna Expresso, Pany vinca que o reconhecimento é "consequência daquilo que o grupo fez" e que quando a equipa está "toda pelo mesmo e acredita", a "bola bate no poste e sai", como aconteceu no último lance da final contra a Argentina. Nascido em Cabo Verde e a viver em Portugal desde os 10 anos, opina que devemos, como sociedade, "esquecer as cores" e "procurar coisas que nos unam", até porque "é a diferença que nos caracteriza" e "nos torna tão especiais"

Pedro Barata

NUNO BOTELHO

Partilhar

Como é ser campeão do mundo?
É ter tocado no céu, e acho que ainda lá estou. Gostava de ter umas palavras boas e bonitas para definir isto que está cá dentro, mas, sinceramente, não o sei fazer. É um sentimento bom, de orgulho, de satisfação e de prazer por alcançar algo tão grande.

Pouco depois da final disse que ainda “não lhe tinha caído a ficha”. Já vai começando a cair?
Ainda não, até porque praticamente não tivemos tempo para parar, pensar e organizar todos os sentimentos que estão cá dentro. Só tive um dia de folga e voltei logo ao trabalho com o Sporting. É como eu já disse noutras conquistas: no dia em que pendurar as botas e me sentar no sofá, aí acho que terei a real noção de tudo isto que vamos fazendo.

Como foi viver toda a agitação destes dias, com a festa da conquista, a receção em Belém e toda a atenção mediática em cima de vocês?
Foi brutal sentir que o país todo desejava que isto acontecesse. O apoio na Lituânia foi brutal, jogámos sempre em casa porque os portugueses, mesmo lá fora, fazem sempre questão de nos apoiar. E quando cá chegámos a receção foi uma coisa linda… A ida ao nosso Presidente é sempre um motivo de orgulho.

O Presidente da República já vos vai conhecendo bem.
Sim, conhece cada um de nós e mostrou que estava por dentro do assunto e que desejava muito que nós trouxéssemos este troféu. Eu acho que tem de ser um motivo de orgulho para todos os portugueses. Nós colocamos o nome do nosso pequeno grande país no topo do mundo, que é onde ele deve estar sempre.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler