Euro 2016

Perfil

Estrelas

Zlatan Ibrahimovic

Uma vez bad boy, para sempre bad boy

Partilhar

Foto Michael Campanella

É um dos avançados mais galardoados da atualidade. A estatura elevada (1,95 metros) tornam o sueco numa arma a ter em conta nos lances de bola parada e até pode enganar os mais distraídos, uma vez que possui uma capacidade técnica apurada, nada habitual num jogador tão alto.

É muito inteligente na forma como se liberta das marcações. De pé esquerdo, ou direito, remata como ninguém para se tornar no inimigo público dos guarda-redes. Os seus golos correm mundo.

Na infância já era rebelde e, além da fama de "enfant terrible", vive de braço dado com a controvérsia. Foi, ao longo dos anos, protagonista de algumas polémicas onde sempre revelou um egocentrismo muitas vezes explorado pela comunicação social. Chegou a dizer por exemplo que joga um "estilo Zlatan" no futebol. Em 2014 foi eleito o segundo melhor desportista sueco, atrás do tenista Bjorn Borg, mas confessou que se fosse ele a votar ficaria no primeiro, no segundo e no terceiro lugar dessa lista. Mais recentemente protagonizou um episódio que gerou até uma reação de políticos em França ao dizer que o país não merecia ter um clube como o PSG, mostrando desagrado aos jornalistas pela arbitragem após um jogo na Liga francesa.

O pai, bósnio, e a mãe, croata, conheceram-se num bairro da cidade sueca de Malmö. E foi na Suécia que Ibrahimovic começou a brilhar.

Esteve dois anos na equipa principal do Malmö até que suscitou o interesse dos grandes da Europa. Arsène Wenger tentou convencê-lo a passar por um período experimental no Arsenal, mas Zlatan respondeu que não fazia testes. Foi contratado pelo Ajax em 2001 por 18 milhões de euros e teve um sucesso quase imediato. Ajudou a equipa a chegar ao título por duas vezes em três anos e conquistou uma Taça da Holanda. Marcou 45 golos em três épocas.

Em 2004 transferiu-se para a Juventus e ganhou o título nos dois anos passados em Turim. Estávamos perante um vencedor nato. Rebentou depois o escândalo da manipulação de resultados que ditou a descida da "Juve" e decidiu rumar para Milão onde representou o Inter durante três temporadas. A transferência consumou-se a troco de 25 milhões de euros. Foi campeão logo no primeiro ano e os seus golos foram determinante para ganhar novamente os títulos nas temporadas seguintes, tendo sido o melhor marcador da Série A em 2008/2009 com 25 golos.

Em 2009 transferiu-se para o Barcelona num negócio avaliado em 68 milhões de euros e que envolveu ainda a troca com Samuel Eto`o. Marcou 21 golos pelos catalães e manteve a imagem de marca: voltou a ser campeão, agora de Espanha. Foram públicos os desentendimentos com o técnico Pep Guardiola e o braço-de-ferro terminou com a saída do avançado.

Voltou a Itália mas para o Milan. Logo na primeira época (em que esteve emprestado) ganhou o título da Série. Na época seguinte, em que já pertencia ao Milan, viu a equipa terminar no segundo lugar, apesar dos 35 golos apontados nessa época em várias competições.

Em 2012 viajou para França. O PSG pagou 20 milhões de euros para contar com um dos avançados mais temidos pelos guarda-redes. Resultado: em quatro épocas, foi quatro vezes campeão e juntou ainda, ao palmarés, duas Taças de França e três Taças da Liga.

É, indiscutivelmente, a estrela da Suécia, com mais de 100 internacionalizações e com golos (62 até ao Euro 2016) que permitiram à seleção nórdica uma maior visibilidade no mundo do futebol.