Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Guia do Euro 2020: Escócia

O perfil da seleção da Escócia (grupo D): como chegou ao Euro 2020, como joga e quem são os jogadores mais importantes

Tiago Teixeira

SNS Group

Partilhar

ESCÓCIA

Melhor marcador no apuramento: John McGinn (7)
Melhor desempenho em Europeus: fase de grupos (1992, 1996)
Euro 2016: não participou
Jogos no Euro 2020 (grupo D): República Checa (14 de junho); Inglaterra (18 de junho); Croácia (22 de junho)

Afastados de uma grande competição desde 1998 (Mundial na França), a Escócia de Steve Clark, no cargo desde 2019, garantiu a presença no Europeu após dois desempates por penaltis no playoff – eliminaram Israel nas meias finais e a Sérvia na final.

Organizados em 3-4-1-2 ou 3-5-2 (em ambos será linha de 5 no momento defensivo), a estratégia da Escócia deverá passar por um bloco médio-baixo, com muita preocupação em proteger o corredor central, e apostar nas transições ofensivas para chegar rápido ao último terço. O ataque à profundidade será a principal maneira de chegar a zonas de finalização, sendo que neste momento destaca-se Che Adams, pela velocidade e movimentos de rutura que oferece.

Andy Robertson será o grande dinamizador do corredor lateral esquerdo, sempre com liberdade para dar profundidade e servir as zonas de finalização – a Escócia recorre muitos aos cruzamentos no último terço.

No meio-campo contam com vários jogadores muito capazes na recuperação de bola, como por exemplo McGinn (também se destaca pela capacidade de chegada a zonas de finalização) e McGregor. McTominay é também uma opção muito válida para o meio campo, mas deverá ser utilizado como central. Há ainda Christie, que oferece mais qualidade entre linhas e no último passe.

JOGADOR CHAVE

Christian Kaspar-Bartke

Andrew Robertson, 27 anos. O lateral esquerdo do Liverpool é o nome mais conhecido da sua seleção e sem dúvida um dos mais influentes, seja em que momento do jogo for. Além de ser um defesa muito competente sem bola, Robertson é também fundamental no último terço, pela capacidade que tem em ganhar a linha de fundo e pela qualidade no momento de servir as zonas de finalização.

JOGADOR A SEGUIR

Billy Gilmour, 19 anos. O jovem médio do Chelsea foi uma das surpresas na convocatória mas não se pode dizer que não tenha sido merecida. Chamado por Tuchel em 14 jogos esta época, Gilmour é um médio fantástico do ponto de vista técnico, demonstrando muita qualidade ao nível do passe e a sair em condução, e muita inteligência na hora de tomar decisões.

11 provável