Tribuna Expresso

Perfil

Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

O Europeu está de volta - e a belíssima Itália também

Depois de uma bela exibição, a Itália de Roberto Mancini goleou a Turquia, por 3-0, no jogo inaugural do Euro 2020

tribuna expresso

Anadolu Agency

Partilhar

Andrea Bocelli, Burak Yilmaz, Merih Demiral. Foi com estes três nomes que começou, finalmente, o Euro 2020, mais de um ano depois da data originalmente prevista, devido ao adiamento provocado pela pandemia de covid-19.

O tenor italiano Andrea Bocelli foi o protagonista da cerimónia de abertura antes do arranque do jogo inaugural, no Estádio Olímpico de Roma, que teve 25% da lotação, cerca de 16 mil adeptos, a colorir as bancadas, como há muito não se via no futebol internacional.

Depois, foi a vez do avançado turco Burak Yilmaz ser protagonista, ao dar o pontapé de saída oficial na prova e num jogo inaugural que foi quase sempre dominado pela (belíssima) Itália.

A seleção de Roberto Mancini não defraudou as expectativas que fazem dela uma das mais sérias candidatas a roubar o título europeu a Portugal, protagonizando uma exibição segura em que apenas o golo demorou a surgir.

Depois de encostar a Turquia atrás na 1.ª parte, com os turcos raramente a conseguirem sair para o ataque, a Itália chegou finalmente ao golo aos 53', num momento infeliz de Merih Demiral.

O central da Juventus desviou um cruzamento para a própria baliza e marcou, assim, o primeiro golo do 16.º Europeu da história - o 688.º golo das fases finais, ao 287.º encontro.

ALBERTO LINGRIA

A partir de então, a muralha turca desfez-se e as várias oportunidades italianas foram surgindo e sendo concretizadas com eficácia: Spinazzola rematou, Çakir defendeu, mas, na recarga, o avançado Ciro Immobile fez o 2-0, aos 66'.

A finalizar o jogo, aos 79', foi a vez de Insigne ser recompensado pela sua excelente exibição no ataque: com um remate em arco a partir da esquerda fez o 3-0, fechando uma belíssima vitória italiana, de uma seleção que é muito mais do que o habitual cinismo com que é rotulada.