Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020
João Nuno Fonseca

João Nuno Fonseca

Treinador de Futebol

Atrair para libertar espaços - e golos

A seleção não criou o engodo necessário de modo a que a Hungria viesse pressionar dentro para, depois, conseguir potenciar o seu jogo em zonas laterais. Na sua análise ao Hungria-Portugal, o treinador João Nuno Fonseca explica que William e Danilo podiam "ter fixado mais na zona central de forma alternada", para atraírem atenção e, consequentemente, "tirar densidade das zonas laterais, onde temos uma enorme qualidade em decidir"

João Nuno Fonseca

ATTILA KISBENEDEK/Getty

Partilhar

A realidade é que temos qualidade… muita qualidade na nossa Seleção Nacional. Serão poucos os treinadores que se adaptam ao que têm à disposição, acabam por fazer praticamente sempre o que sentem ser melhor para o momento/jogo. Fernando Santos não foge a “essa regra” e procurou organizar aquilo que são as características dos nossos jogadores, para que todos juntos criassem o melhor tipo de dinâmicas.

Tivemos mais momentos de posse de bola que a Hungria, que montou uma estratégia mais defensiva num bloco médio-baixo.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Às vezes é no meio do silêncio que se descobre a ilusão
    Euro 2020

    Até aos 84' não havia golos e estava-se numa segunda parte que já parecia ser muito da Hungria, mas, com dois ricochetes, Raphaël Guerreiro marcou. Depois, veio o penálti que tombou em definitivo os húngaros que Portugal nunca soube bem desmontar. E o recorde de Ronaldo: o capitão fez dois golos, é o melhor marcador da história dos Europeus e a seleção entrou neste a ganhar (0-3), o que não acontecia desde 2008