Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020

Hazard, o Barbosa dos belgas

Bruno Vieira Amaral teoriza sobre as parecenças que deteta entre o capitão da Bélgica e um certo ex-jogador português, sobre quem Quinito, uma vez, disse que pagaria bom dinheiro para jogar no seu quintal

Bruno Vieira Amaral

Isosport/MB Media

Partilhar

O leitor sabe o que é um jogador de quintal? Em anteriores ocasiões já teorizei sobre o assunto, mas não espero que os leitores conheçam a fundo a minha obra filosófica. Portanto, aqui vai um bocadinho de contexto. O mítico Quinito, glória dos bancos nacionais, disse certa vez que se tivesse dinheiro suficiente pagava a Pedro Barbosa para jogar no quintal dele.

Há quem prefira uma piscina de plástico, um grelhador, um estendal desmontável, gnomos e duendes, mas um Pedro Barbosa no seu auge como acessório de quintal não me parece má ideia: “ó Barbosa, fica aí a dar toques”, “Barbosa, puxa lá um cabrito”, “Barbosa, mostra lá como é que foi aquele golo contra a Holanda”.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Ajoelhado, Lukaku mantém-se sempre de pé
    Euro 2020

    Estreou-se pela Bélgica há 11 anos, com 17, mas só depois alcançou um direito que não devia ter de reclamar: ser chamado “Lukaku, avançado belga”, e não “Lukaku, avançado belga de origem congolesa”, sempre nos dias maus. É por essas e por outras histórias que continua a ajoelhar-se. Lukaku queria o avô vivo por muitas razões, a principal era para poder ouvi-lo dizer: “Vês? Já não preciso de mostrar o B.I. Eles sabem o nosso nome”. A redação do Expresso conta-lhe uma história por grupo, todos os dias

  • "O futebol une uma causa bonita". Este é o mês em que só há uma Bélgica
    Euro 2020

    Flamengos, francófonos e bruxellois são apenas 100% belgas, com as cores das bandeiras em todo o lado, quando jogam os Diabos Vermelhos. Uma vitória na final do Euro 2020 poderia dar um " boost ao feeling belga", mas dificilmente chegaria para unir um país no resto do tempo, em que não há Europeus nem Mundiais para jogar (às 20h, a Bélgica estreia-se contra a Rússia)