Tribuna Expresso

Perfil

Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Fernando Santos e a ressaca da derrota: "Foi como se acordássemos de um pesadelo. Não gostamos nada de dar tristezas"

O selecionador nacional falou aos jornalistas este domingo, já em Budapeste, após o treino de recuperação no dia seguinte à derrota (4-2) com a Alemanha, em Munique. Fernando Santos garantiu que os jogadores já treinaram "alegres" e que "a equipa já passou por isto e sabe como tem de reagir"

Diogo Pombo

picture alliance

Partilhar

A ressaca da derrota com a Alemanha

"Ainda se sentia um bocadinho como se acordássemos de um pesadelo, ou como um sonho que afinal se tornou um pesadelo. Depois do almoço e de estarem todos juntos, de começarmos todos a conversar normalmente, vamo-nos apoiando e os próprios jogadores fazem isso, vão puxando uns pelos outros.

Quando chegámos ao treino a equipa já estava alegre, treinou muito bem, até aqueles que não jogaram e, normalmente, estão mais chateados do que os outros, se calhar achavam que tinham de jogar e não jogaram.

A equipa tem muita gente que já passou por isto algumas vezes, uns menos que outros - já perderam finais e campeonatos por serem jogadores que jogam em grandes ligas. A própria equipa já passou por isto e sabe como tem de reagir. Hoje à noite já vai ser diferente, amanhã então, não tenho dúvida nenhuma".

Será necessário rodar jogadores devido ao cansaço?

"Vamos ver como estão os treinos, mas, depois de dois jogos muito intensos, e basta olhar para os quilómetros que os jogadores correram - eu não ligo muito, mas os meus homens sabem essas coisas -, será normal que possa acontecer que tenha de refrescar a equipa aqui ou acolá. Não tem a ver com castigo, por castigo não faço.

Só se for uma opção tática e estratégica para o jogo, ou se for caso de fadiga que se esteja a manifestar e eu e os meus colaboradores entendamos que é necessário refrescar".

Final deste Europeu é, outra vez, a 11 de julho

"A minha convicção é que Portugal pode ir à final e pode vencer. É a minha convicção e o meu desejo, mas, para isso, temos de ser fortes, capazes e temos de ultrapassar os adversários. O mais importante, que acredito que vamos conseguir, é garantir o apuramento.

Garantida a passagem, depois é jogo a jogo e acredito que tudo pode acontecer, sim".

O que tem a dizer aos portugueses?

"O que tenho a dizer é que se mantém o compromisso que sempre tivemos. O que já disse há 5 anos, quando os adeptos estavam um pouco desiludidos com a seleção, com todo o direito, quando se manifestavam acerca dos resultados, dos empates, dos jogos, essas coisas todas.

Sempre lhes disse que, connosco, podem contar sempre e que vamos fazer tudo para lhes darmos alegrias. Felizmente, já demos muitas. Não gostamos nada é de dar tristezas".