Tribuna Expresso

Perfil

Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Que a Alemanha sirva para afinar o motor

Pela forma como pressionou os três centrais da Alemanha, a seleção nacional permitiu sempre que ligassem jogo pela esquerda e deixou-se atrair para esse lado, libertando espaço no lado contrário. "Kimmich e Gosens foram os fusíveis para que o nosso bloco defensivo fosse atraído para zonas laterais", analisa o treinador João Nuno Fonseca

João Nuno Fonseca

picture alliance

Partilhar

Antes do jogo, a Alemanha precisava de ganhar. Pressentiu-se que iria ter mais posse de bola e confirmou-se. Não conseguimos criar situações que nos dessem mais conforto no jogo para termos clareza no processo ofensivo.

Hoje em dia, na sociedade, há uma tendência de ligarmos mais a quem está longe do que a quem está perto. O nosso jogo foi um pouco isso, não conseguimos ligar o jogo com quem estava perto (atrair) para depois nos relacionarmos com quem estava na frente (longe). Porque sejamos pragmáticos: não se joga para ter a posse de bola, joga-se para usá-la e criar a maior quantidade de situações possíveis de golo. E nós, criámos muito pouco para aquilo que somos capazes de fazer.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Atrair para libertar espaços - e golos
    Euro 2020

    A seleção não criou o engodo necessário de modo a que a Hungria viesse pressionar dentro para, depois, conseguir potenciar o seu jogo em zonas laterais. Na sua análise ao Hungria-Portugal, o treinador João Nuno Fonseca explica que William e Danilo podiam "ter fixado mais na zona central de forma alternada", para atraírem atenção e, consequentemente, "tirar densidade das zonas laterais, onde temos uma enorme qualidade em decidir"