Tribuna Expresso

Perfil

Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Governo britânico aprova mais de 60 mil adeptos em Wembley para "meias" e final

O Governo de Boris Johnson já tinha acordado um aumento para os oitavos de final até cerca de 40 mil espectadores, mas agora Wembley recebe o OK para chegar a 75% da sua capacidade - o estádio londrino tem uma lotação de 90 mil lugares. Apesar daquela decisão, o primeiro-ministro sublinha: "A saúde pública continua a ser a prioridade"

Lusa

JUSTIN TALLIS

Partilhar

As meias-finais e a final do Euro 2020 de futebol vão ter mais de 60 mil adeptos nas bancadas do Estádio de Wembley, em Londres, informou esta tarde o Governo britânico.

No Euro 2020, Wembley recebe três jogos da fase de grupos, dois dos oitavos de final, as duas meias-finais e a final.

Foi dada uma autorização até 22.500 espectadores na fase de grupos, com o primeiro jogo de Inglaterra com Croácia (1-0) a ter 18.497 espectadores, e o segundo, diante da Escócia, a ter 20.306 pessoas.

O Governo de Boris Johnson já tinha acordado um aumento para os oitavos de final até cerca de 40 mil adeptos, mas agora Wembley recebe o OK para chegar a 75% da sua capacidade - o estádio londrino tem uma lotação de 90 mil lugares.

A possibilidade de mais público nas meias-finais e final levou o presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, a dizer que está “grato ao primeiro-ministro e ao Governo britânico pelo trabalho árduo” em finalizar os acordos com o organismo do futebol.

Na nota divulgada esta terça-feira, o Governo britânico lembrou também que será "a maior concentração de pessoas num evento desportivo no Reino Unido em 15 meses", desde o início da pandemia de covid-19.

"a saúde pública continua a ser a prioridade"

No sábado, a UEFA tinha informado estar em conversações com as autoridades no sentido de permitirem que o país recebesse adeptos para o Euro 2020 sem os obrigar a isolamento, uma situação sobre a qual ainda não foram fornecidos detalhes.

No mesmo dia, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reafirmou que a sua prioridade era a “saúde pública”, mais do que manter Londres como palco das meias-finais, a 6 e 7 de julho, e da final, a 11 de julho, numa altura em que se falava que as mesmas poderiam ser transferidas para Budapeste.

"Faremos tudo o que devemos fazer para proteger o país da [pandemia de] covid-19. É evidentemente a nossa prioridade. Vamos falar com a UEFA e ver o que eles querem, e ver se podemos fazer adaptações, mas a saúde pública continua a ser a prioridade", declarou então Boris Johnson.

Já na segunda-feira, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, revelou que se opõe à realização da final do Euro 2020 no estádio de Wembley, devido ao aumento significativo dos casos de covid-19 provocados pela variante Delta em Inglaterra.

O Euro 2020, que foi adiado para 2021 devido à pandemia, decorre até 11 de julho, em 11 cidades de 11 países.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 3.875.359 mortes no mundo, resultantes de mais de 178,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.