Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Ainda não imitaram aquela noite em Coimbra, Johan

Zidane marcou primeiro naquela tarde soalheira de junho, em mais um encontro do Euro 2004, e os suíços, depois de um erro de Silvestre, desenharam uma belíssima jogada que culminou no golo de Johan Vonlanthen, que se transformou no mais jovem futebolista de sempre a marcar num Campeonato da Europa, uma marca que ainda resiste 17 anos depois. Porque hoje há França-Suíça (20h, SportTV1), a Tribuna Expresso recorda a carreira do futebolista natural da Colômbia que pendurou as botas duas vezes

Hugo Tavares da Silva

John Walton - EMPICS

Partilhar

Uma vez perguntaram-lhe se era verdade que ele falava sete idiomas. Ele confirmou: espanhol, alemão, holandês, português, italiano, inglês e francês, as duas últimas eram as melhores para dizer umas asneiras. E essa capacidade era também útil para escutar e compreender o que os jogadores das outras equipas diziam, contou Johan Vonlanthen em entrevista à “Four Four Two”, em 2010. “Era ótimo.”

A vida de Vonlanthen deu muitas cambalhotas. Hoje tem 35 anos, ainda tem idade para dar uns pontapés na bola e implorar às redes das balizas para dançarem para ele, mas o futebol foi-se esvaziando para o ex-avançado: pendurou as botas em 2012, com 26 anos. “Agora o futebol já não significa o mesmo para mim”, assumiu então, em agonia por uma lesão no joelho, mas haveria outra razão por trás desta opção radical. Mas o desfecho não seria bem assim (já lá vamos), afinal avisámos que havia cambalhotas nesta história...

Vonlanthen nasceu na Colômbia, em Santa Marta. Aos 13 anos, depois da mãe casar com um suíço, mudou-se para a Suíça. “Nunca pensei que iria tornar-me internacional suíço, mas depois de três ou quatro anos no país perguntaram-me se queria representar a Suíça num torneio jovem”, contou nessa entrevista à revista “Four Four Two”. Ele disse que sim, mesmo que isso significasse nunca jogar pelo seu país de origem, pelos amigos que deixou em Santa Marta. “Creio que ninguém no futebol colombiano sabia que eu existia, especialmente com um apelido como Vonlanthen. Mas a minha carreira correu bem. Comecei no Young Boys, de Berna, antes de me mudar para o PSV Eindhoven, quando tinha 17 anos.”

A vida deste rapaz estava realmente com o vento a favor, tanto que foi convocado por Köbi Kuhn para o Euro 2004, em Portugal. E foi ali, em Coimbra, que o rapaz de quem ninguém ouvira falar fez história.

Depois de frente à Croácia (0-0) não sair do banco, de onde observava os grandíssimos Alexander Frei e Stéphane Chapuisat, entrou finalmente contra a Inglaterra (0-3), aos 83’, um jogo que ficou marcado pelos golos de Wayne Rooney, que ganhou o rótulo de mais jovem de sempre a marcar num Campeonato da Europa.

No terceiro jogo, Johan Vonlanthen foi titular contra a França de Zidane, Henry, Pires, Trezeguet, Vieira e os outros todos. Já depois de Zizou fazer o 1-0 de cabeça após canto, fazendo suspirar os nostálgicos pelos seus golos da final de 1998, Mikael Silvestre errou o passe para Claude Makélélé; Daniel Gygax recuperou, tocou para o meio, Hakan Yakin abriu as pernas e deixou para Ricardo Cabanas, que vislumbrou a belíssima diagonal de Vonlanthen. O miúdo, que acabara de fugir ao radar de Thuram e Silvestre, chutou cruzado e Barthez nada pôde fazer. Um-um no marcador (ficaria 3-1 para os gauleses) e um recorde: aos 18 anos e 141 dias, o miúdo do PSV era o mais jovem de sempre a marcar num Campeonato da Europa.

Ainda é.

Tony Marshall - EMPICS

Depois de rescindir com o clube colombiano Itagüí Fútbol Club, em 2011, parecia estar tudo bem resolvido. “Sinto-me muito bem neste momento, estou feliz", disse então, justificando que também o nascimento do filho influenciara a decisão. "Quero que ele cresça na Colômbia.”

Pelo meio, entre a gloriosa noite de Coimbra e o manifestamente exagerado pendurar de botas, o avançado vestiu as camisolas de Red Bull Salzburg, FC Zurich, NAC Breda e Brescia, onde jogou com o imberbe Marek Hamsik, na altura com 17 anos.

Mas Johan voltaria mesmo a jogar e só em clubes da Suíça, como FC Wohlen, Grasshoppers, Schaffhausen, Servette e sobretudo no FC Wil 1900, da segunda divisão helvética, onde finalmente colocou um ponto final no ofício de futebolista, em 2018.

Vonlanthen, que falhou a convocatória do Mundial de 2006, celebrou sete golos nas 40 internacionalizações pelos helvéticos. Esteve ainda no Euro 2008, na Suíça, onde foi titular na única vitória na fase de grupos, contra Portugal de Pepe e Bruno Alves (2-0), não evitando ainda assim o último lugar do Grupo A.

Num artigo da imprensa suíça pode ler-se que chegou a sonhar com o Real Madrid, mas a vida deste rapaz, ainda jovem nos dias de hoje, foi um carrossel. Apesar de tudo, há duas coisas que, até ver, estarão sempre do seu lado: o recorde de mais jovem futebolista a marcar num Europeu e um prato colombiano que tanto adora, com bananas verdes, e que sabe fazer, porém não tão bem como os seus avós.