Tribuna Expresso

Perfil

Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Ter talento, por si só, não ganha jogos

O treinador João Nuno Fonseca escreve que Portugal deveria ter tirado mais vantagem das qualidades dos jogadores que tem, através de um jogo mais posicional/localizado. Uma forma de jogar que requer intenção de querer ter a bola, além de os jogadores serem capazes de interpretar as vantagens que têm quando se relacionam com os adversários

João Nuno Fonseca

Fran Santiago - UEFA

Partilhar

A falta de eficácia e sorte não explica aquilo que aconteceu no domingo, em Sevilha. Entramos no jogo em termos estratégicos com uma postura mais defensiva, quando temos argumentos (mais do que suficientes!) para podermos impor um jogo e, acima de tudo, uma forma de estar totalmente diferente desde o primeiro minuto. A meu ver, é determinante a predisposição de uma equipa desde o apito inicial.

Quando corremos atrás do resultado tornamo-nos uma equipa muito mais anárquica, exposta nos momentos de transição defensiva, porque colocamos mais jogadores em zonas mais adiantadas com ânsia/necessidade de marcar (23 remates - 4 dos quais à baliza).

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler
  • Que se pegue nesta triste canção e se faça melhor
    Euro 2020

    A Bélgica acertou apenas um remate na baliza, Portugal perdeu (1-0) e foi eliminado do Europeu nos oitavos-de-final é o resumo possível de uma despedida. O outro, é contar como a seleção se atreveu a pressionar alto os belgas, a arriscar e a jogar com os mais amigos da bola ao mesmo tempo, durante 45 minutos. Tentou remediar-se, mas só quando já não havia outro remédio e, pelo segundo grande torneio seguido, Portugal fica aquém da sorte que tem: a de ter bastante potencial para poder fazer melhor