Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020

Federer e a ilusão da eternidade

Enquanto espera pelo trepidante Espanha-Itália desta terça-feira, Bruno Vieira Amaral dedicou-se à beleza do ténis. Ou melhor, à beleza de ver um jogo de ténis do suíço Roger Federer. Porque "isto não vai durar para sempre"

Bruno Vieira Amaral

Julian Finney/Getty

Partilhar

Nunca mais me esqueci de uma crónica de Miguel Sousa Tavares em que este adepto confesso do Porto, desiludido com uma época menos conseguida do seu clube, disse que bonito, bonito era o ténis. É verdade, mas a beleza do ténis não depende das flutuações dos clubes de futebol do nosso coração.

Provavelmente seremos todos um pouco mais sensíveis a essa beleza quando o nosso espírito não está turvado pelos vapores clubísticos, mas reduzir o ténis – ou, no meu caso, também o ciclismo – a um refúgio estético das nossas mágoas futebolísticas é uma injustiça, uma desconsideração e um erro.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler