Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Euro 2020 - descrição

Euro 2020 - descrição

Euro 2020

Os selecionadores que conseguiram transmitir às suas estrelas extremamente bem pagas que não estão apenas a jogar futebol (por Philipp Lahm)

Antigo campeão mundial, Philipp Lahm escreve que Europeu foi mais do que uma competição lúdica entre nações que negoceiam a sua existência, pois teve vários exemplos que mostraram o valor de uma identidade nacional de futebol. E o ex-internacional alemão explica, também, como a final deste domingo vai demonstrar isso mesmo

Philipp Lahm

Claudio Villa/Getty

Partilhar

Como anfitrião do Campeonato Europeu de 2024 na Alemanha, estou naturalmente preocupado com a exibição e o impacto da equipa da casa. É importante para a atmosfera e o objetivo do campeonato que a seleção jogue corajosamente e espalhe otimismo. Que tenha na equipa personagens com quem os fãs se possam identificar. Que saiba, e que seja visível, que está a jogar em casa.

O público quer avaliar os jogadores pela forma como assumem essa responsabilidade e quer ver uma equipa crescer durante o campeonato. Se, além disso, desenvolverem um estilo nacional em campo, o que acaba por acontecer, o objetivo das seleções nacionais e o significado social dos Campeonatos da Europa e do Mundo tornam-se evidentes. A história do futebol conhece alguns exemplos desse tal valor acrescentado: Inglaterra 1996, França 1998 ou Alemanha 2006.

No campeonato pan-europeu de 2021 houve vários anfitriões, dois dos quais estão na final. A Inglaterra deixou que o entusiasmo dos seus compatriotas os elevasse nos cinco jogos em Wembley. A equipa depende da sua enorme capacidade atlética e de rumo - como nos mostra o futebol da Premier League e também da história da Inglaterra.

O selecionador Gareth Southgate dá duas coisas à sua equipa. Com a sua carta aberta à nação em que abordou a questão do racismo, deixou claro que vê o seu cargo de selecionador nacional como uma missão social. E a sua equipa acredita no seu plano desportivo, que é: ninguém vai marcar um golo contra nós rapidamente. A Inglaterra só sofreu um golo na meia-final contra a Dinamarca.

No ataque, Southgate pode confiar em muitos talentos, principalmente Raheem Sterling. É também notável como usa alguns jogadores de clubes que não pertencem aos "Big Six", nomeadamente Leeds United, Aston Villa, West Ham United e Everton. Isto também fortalece a identidade da equipa inglesa.

Um grande vencedor deste campeonato é o adversário de Inglaterra na final.

Desde o pontapé de saída no jogo de abertura em Roma, a Itália passou uma imagem de uma equipa estável que impressiona os adversários com uma abordagem clara. A equipa combina a antiga virtude italiana da defesa, que foi particularmente solicitada na meia-final contra a Espanha, com elementos internacionais.

A Itália não está a contar com o catenaccio, mas ultimamente tem ganhado muita posse de bola no meio-campo adversário. Desta forma, a equipa vai além do que se conhece da Serie A. O meio-campo móvel em torno de Marco Verratti, Nicolò Barrella e Jorginho tem um curto tempo de contacto com a bola. Isto cria um fluxo de jogo.

Taticamente, isto é o melhor que o campeonato tem para oferecer. A seleção funciona de forma quase tão homogénea como a equipa de um clube. Esta é uma grande proeza de Roberto Mancini e dos seus jogadores. Essa ligação pode ser sentida nos discursos pós-jogo do selecionador. A Itália joga com convicção. A velha nação de futebol está de volta.

Artigo Exclusivo para assinantes

No Expresso valorizamos o jornalismo livre e independente

Já é assinante?
Comprou o Expresso? Insira o código presente na Revista E para continuar a ler