Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Consultores fabricaram documentos para demonstrar que Ronaldo tinha intenção de pagar impostos

Contrato entre Cristiano Ronaldo e offshore por onde foram pagos €75 milhões em direitos de imagem do jogador foi assinado no final de 2014 como se o tivesse sido em 2008. Nova revelação do consórcio EIC surge no dia em que o futebolista aceitou um acordo final com a justiça espanhola em que aceitou pagar €19 milhões e ser condenado a 23 meses de prisão, com pena suspensa, para o caso ser encerrado

Micael Pereira

SUSANA VERA

Partilhar

Cristiano Ronaldo foi esta terça-feira de manhã a Madrid para colocar uma pedra sobre o seu processo de fraude fiscal e enterrar assim o assunto. Para isso, teve de admitir a sua culpa perante o tribunal, num acordo escrito em que o assunto ficou resolvido com uma condenação a 23 meses de prisão, com pena suspensa, e o pagamento de cerca de 18,8 milhões de euros aos cofres da coroa espanhola.

Foi só depois das revelações trazidas pelo consórcio European Investigative Collaborations (EIC) em dezembro de 2016, com base em documentos obtidos junto da plataforma Football Leaks pela revista alemã “Der Spiegel” e partilhados com todos os outros parceiros do EIC, incluindo o Expresso, que o Ministério Público espanhol acusou Cristiano Ronaldo, em 2017, a propósito do que foram considerados indícios fortes de que o então jogador do Real Madrid tinha fugido aos impostos em Espanha, onde era residente fiscal.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. Pode usar a app do Expresso - iOS e Android - para descarregar as edições para leitura offline)