Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Razões de segurança levam a mudança de sala no julgamento de Rui Pinto

Um relatório das forças de segurança encarregadas da proteção de Rui Pinto e do próprio julgamento obrigaram a Justiça a mudar o local onde o alegado hacker será julgado: ao invés da maior sala do tribunal, no piso zero, o processo vai decorrer no sexto piso, onde as autoridades acreditam que há mais condições de segurança

Rui Gustavo

Sonja Och

Partilhar

Afinal, o julgamento de Rui Pinto não vai decorrer na maior sala do Tribunal Criminal de Lisboa, no piso zero, como estava previsto. Um relatório de segurança entregue hoje às autoridades judiciais desaconselhou a utilização daquela sala (onde decorreu, por exemplo. a instrução da Operação Marquês) por considerar que não estão reunidas as condições de segurança necessárias, contou ao Expresso uma fonte próxima do processo.

Assim, apesar de não ter havido uma ameaça concreta, o julgamento vai decorrer numa sala mais pequena, no piso seis do tribunal, onde será "mais fácil garantir a segurança não só do arguido mas de todos os envolvidos", explica a mesma fonte. Consequência imediata: haverá menos gente dentro da sala e em vez dos dez jornalistas que estavam previstos para a sala, afinal, vão estar apenas oito.

Inicialmente, a juiz Margarida Alves, presidente do coletivo de juízes, marcou o julgamento para a sala de audiências do piso seis. Mas as autoridades judiciais entenderam que um julgamento tão mediático devia realizar-se na sala maior do tribunal, com mais espaço para a comunicação social. O interior da sala chegou a ser filmado pelas televisões. Mas, sexta-feira, quando o julgamento se iniciar, será mesmo no piso seis.

Rui Pinto é acusado de 90 crimes e já esteve um ano e meio em prisão preventiva. Agora faz parte de um programa de proteção de testemunhas porque as autoridades judiciais consideraram que corre "perigo de vida" e já sofreu ameaças "de Portugal e do estrangeiro".

O início do julgamento está marcado para as 9h30 de 4 de setembro.

Rui Pinto: “Enquanto Portugal pedia o alargamento do meu mandado de detenção, um ministro da Hungria recebia bilhetes VIP do Benfica”

O autor de Football Leaks falou à revista Der Spiegel sobre o fim da prisão preventiva, o impacto do Football Leaks, a Doyen e o Benfica. A revista alemã partilhou com o <strong>Expresso </strong>a segunda parte da entrevista a Rui Pinto, cujo julgamento arranca na próxima sexta-feira