Tribuna Expresso

Perfil

Football Leaks

Rui Pinto “é o autor do Football Leaks e do Mercado de Benfica”, diz inspetor-chefe da PJ

"Nós não distinguimos o Football Leaks do Mercado de Benfica", declarou Rogério Bravo, dando como garantido que Rui Pinto foi o autor de ambos os blogs

Miguel Prado

Rui Pinto foi entrevistado pela Der Spiegel em Lisboa.

Sonja Och / Der Spiegel

Partilhar

Rogério Bravo, inspetor-chefe da Polícia Judiciária responsável pela área do cibercrime, afirmou esta quarta-feira no julgamento de Rui Pinto que o arguido "é o mesmo autor do Football Leaks e do Mercado de Benfica".

A afirmação foi deixada de forma taxativa perante os juízes e advogados e sem mais elementos a sustentar a conclusão.

Rui Pinto está a ser julgado por um total de 90 crimes, na sua maior parte de acesso ilegítimo e violação de correspondência, por factos que, segundo a acusação do Ministério Público, envolvem não apenas o blog Football Leaks mas também documentos ligados ao blog Mercado de Benfica, nomeadamente caixas de correio de vários ex-advogados da PLMJ.

Recorda-se que Rui Pinto já assumiu publicamente ter sido um dos autores do Football Leaks (blog criado no final de 2015), mas nunca admitiu ter responsabilidades pelo blog Mercado de Benfica, que foi criado em 2017 e cessou as suas publicações no único de 2019.

"Nós não distinguimos o Football Leaks do Mercado de Benfica", afirmou Rogério Bravo, quando se referia a Rui Pinto como o autor de ambos os projetos.

Questionado pela advogada da Doyen sobre o impacto do Football Leaks na vida dos assistentes, o inspetor-chefe da PJ comentou que "estes arguidos (Rui Pinto e Aníbal Pinto) no futuro vão encontrar a paz", enquanto quem teve as suas caixas de correio devassadas não. "Aquelas pessoas quando se deitam à noite não conseguem saber se a informação estará na Internet na manhã seguinte. Há uma dupla ou tripla penalização dessas pessoas", comentou Rogério Bravo.

Quando questionado pela defesa de Rui Pinto sobre o comportamento deste último no período em que esteve detido na PJ, Rogério Bravo admitiu que "acabou por haver uma alteração na sua postura processual", mais cooperante.