Tribuna Expresso

Perfil

Fórmula 1

A desgraça da Ferrari foi o ganho de Hamilton na Rússia

Lewis Hamilton voltou às vitórias no Mundial no GP Rússia, bastião da Mercedes desde 2014. Numa prova em que tudo parecia indicar novo domínio da Ferrari, a desistência de Sebastian Vettel deitou tudo a perder. Ganhou a estratégia da Mercedes, que permite ao britânico aumentar ainda mais a vantagem no topo da tabela de pilotos

Lídia Paralta Gomes

Mark Thompson/Getty

Partilhar

A Rússia é Mercedes e desde 2014 é assim. E mesmo naquele que parecia ser o melhor momento da Ferrari, os astros como se alinharam para que o domínio dos flechas prateadas em Sochi não fosse beliscado.

Lewis Hamilton voltou às vitórias, depois de três triunfos da Ferrari desde o regresso das férias de verão, num GP dominado por Sebastian Vettel na primeira parte, depois do alemão ultrapassar Charles Leclerc na partida, numa aparente tática para assegurar que os dois Ferraris saiam da primeira volta nos dois primeiros lugares.

A ideia seria que o alemão deixasse depois o monegasco passar em pista, mas o ritmo de Vettel era de tal forma forte que a estratégia mudou para uma troca de posições após as paragens nas boches.

Mas aí é que tudo começou a correr mal para a Ferrari. Leclerc foi o primeiro a parar, ficando atrás dos Mercedes. Vettel parou depois, saindo na traseira do colega, mas logo de seguida uma falha de motor no carro do alemão deitou tudo a perder para a escuderia italiana

Com a desistência de Vettel e o despiste de George Russell (Williams) logo de seguida, o safety car entrou em ação, decisivo para Hamilton parar e manter-se na frente. Charles Leclerc ficou preso atrás de Valtteri Bottas no 3.º lugar. O finlandês fez então uma espécie de tampão e Hamilton ficou com caminho livre para seguir para a vitória, a primeira desde o GP Hungria, no início de agosto. É também a 4.ª vitória do britânico no traçado de Sochi, depois das vitórias de 2014, 2015 e em 2018. Levou ainda o pontinho da volta mais rápida.

Bottas aguentou Leclerc em 3.º e a Mercedes fez assim a dobradinha, algo que não acontecia desde o GP Grã-Bretanha, em Silverstone. Com a vitória no GP Rússia, Hamilton, que vence o 8.º grande prémio da temporada e o 82.º da carreira, aumenta ainda mais a vantagem no Mundial de pilotos: tem agora 322 pontos, contra os 249 de Valtteri Bottas.